Santa Casa e Montepio: ministro não falou “em modalidades, em modelos, em instrumentos”

  • Cristina Oliveira da Silva
  • 6 Abril 2017

"Não me compete a mim estudar" a hipótese "porque essa tutela não é minha", afirmou hoje o ministro do Trabalho, Vieira da Silva.

O ministro do Trabalho afirmou hoje que não lhe cabe a si “estudar” uma eventual entrada da Santa Casa da Misericórdia no Montepio, garantindo que não falou “em modalidades, em modelos, em instrumentos”.

Governo e parceiros sociais reuniram-se esta quinta-feira para discutir as reformas antecipadas mas, no final da reunião, o tema Montepio também foi abordado, depois de Vieira da Silva já ter admitido que veria com bons olhos uma associação da Santa Casa à Caixa Económica. Aliás, o ministro será ouvido de urgência no Parlamento sobre o assunto.

Sobre isto, o ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social disse apenas que iria repetir as suas declarações anteriores: “O Governo olha positivamente o reforço da cooperação entre instituições sociais e uma instituição financeira que é também uma instituição do setor social”. “E nessas instituições inclui-se a Santa Casa“, disse Vieira da Silva no final da reunião de concertação social.

E está a estudar a hipótese? “Não me compete a mim estudar porque essa tutela não é minha”, respondeu.

 

Vieira da Silva adiantou ainda que fala “com regularidade com o senhor Provedor da Santa Casa”, acrescentando: “a nossa conversa é sempre muito franca e muito aberta e aquilo que eu disse publicamente também o disse a ele”.

Porém, o governante nota que nunca falou “em modalidades, em modelos, em instrumentos”. “Quem é que lhe disse que a Santa Casa ia salvar um banco?”, devolveu o ministro quando questionado sobre esta hipótese.

Recorde-se que Pedro Santana Lopes, num artigo de opinião no Jornal de Negócios (acesso pago) sublinhou que a Santa Casa “não tem intenção rigorosamente nenhuma em relação ao Montepio” e que, desde que Vieira da Silva se referiu ao “reforço da cooperação”, não houve uma única conversa, reunião ou sequer leitura de documentos”. Ainda assim garante que se o ministro o vier a fazer tem “a obrigação acrescida de estudar uma possibilidade por ele aventada”.

“Tenho o ministro Vieira da Silva na conta de uma pessoa muito responsável e que, certamente, nunca pediria à Santa Casa para entrar numa aventura”, disse ainda o provedor, repetindo o que já tinha dito na entrevista à TVI.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Santa Casa e Montepio: ministro não falou “em modalidades, em modelos, em instrumentos”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião