A Amazon tem 4,5 mil milhões para gastar em vídeo

Este ano, a Amazon terá duplicado o orçamento para aquisição ou produção de conteúdos de vídeo. A empresa aproxima-se assim da Netflix, que espera gastar seis mil milhões em vídeo este ano.

O Prime Video é um serviço da Amazon que concorre diretamente com a Netflix, líder do mercado do streaming.Kārlis Dambrāns/Flickr

A Amazon deverá investir cerca de 4,5 mil milhões de dólares em vídeo este ano, de acordo com analistas do banco JPMorgan, citados pela Business Insider. O número mostra que o orçamento da Amazon no segmento dos conteúdos está a aumentar a um ritmo elevado e que a empresa está focada em ganhar terreno num setor liderado pela Netflix.

Embora menos popular, a companhia de Jeff Bezos tem o seu próprio ‘Netflix’: chama-se Prime Video e, através de uma mensalidade, permite assistir a milhares de filmes e séries via streaming.

Espera-se, por isso, que a oferta vá aumentar ao longo deste ano, uma promessa que, aliás, já tinha sido feita pelo líder financeiro da Amazon em julho. Nessa altura, Brian Olsavsky disse que a empresa ia “quase que duplicar” o investimento em vídeo, assim como “triplicar” a oferta de conteúdo original.

O serviço de streaming da Amazon foi lançado no final do ano passado em mais de 200 países, incluindo Portugal. A mensalidade base é de 5,99 euros, mas a promoção atualmente em vigor oferece seis meses de serviço por 2,99 euros. É um número inferior aos 7,99 euros de mensalidade da Netflix que, ainda assim, oferece um mês grátis para teste. Por sua vez, a Amazon permite apenas sete dias de teste.

No entanto, o investimento da Netflix é superior ao da Amazon, com a empresa a alocar seis mil milhões de dólares em conteúdos. Para comparação, e segundo a Business Insider, a HBO gastou ‘apenas’ dois mil milhões em 2016.

Aquando do lançamento do Amazon Prime Video em dezembro, surgiram relatos de que a gigante norte-americana das compras online terá gastado 250 milhões de dólares no programa de automóveis exclusivo The Grand Tour, atualmente um dos conteúdos mais populares do serviço, realizado pela mesma equipa anteriormente responsável pelo Top Gear.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

A Amazon tem 4,5 mil milhões para gastar em vídeo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião