Gomes da Silva recebeu 1,6 milhões na Galp. Só Mexia recebeu mais

Presidente da Galp recebeu 1,6 milhões de euros em 2016, com as remunerações da comissão executiva a crescerem 10%. No PSI-20, até agora, apenas salário de Mexia superou ganhos de Gomes da Silva.

Carlos Gomes da Silva recebeu uma remuneração total de 1,621 milhões de euros enquanto presidente executivo da Galp GALP 0,00% em 2016. Trata-se de um aumento de 19% face à remuneração auferida em 2015, embora o gestor tenha apenas entrado em funções em abril desse ano. Só António Mexia, presidente da EDP, recebeu mais no ano passado entre os CEO do PSI-20.

De acordo com as remunerações atribuídas na Galp, a comissão executiva da petrolífera nacional recebeu mais de seis milhões de euros em 2016, com a folha de pagamentos a aumentar cerca de 10% face ao anterior.

Carlos Gomes da Silva foi o mais bem pago: recebeu 980 mil euros em remuneração fixa, aos quais foram acrescentados 285,6 mil euros em remuneração variável, 245 mil euros em forma de PPR e 110 mil euros noutros benefícios, num total de 1,6 milhões de euros. Já o administrador financeiro da Galp, Filipe Silva, auferiu um rendimento de 684,6 mil euros em 2016.

Entre as cotadas que já publicaram os relatórios de governance, apenas António Mexia, presidente da EDP, apresentou uma remuneração superior à de Gomes da Silva entre os CEO das cotadas do PSI-20. Mexia recebeu um total de dois milhões de euros em relação a salários e prémios em 2016.

A Galp fechou o ano passado com lucro de 483 milhões de euros, menos 24% do que em 2015, com os resultados a serem penalizados pelo registo de imparidades com a exploração de petróleo em Angola. Aumentou o dividendo para 50 cêntimos.

As ações da Galp sobem esta quarta-feira 0,45% para 16,74 euros. Em 2016, os títulos valorizaram 32,37%.

Galp valoriza

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Gomes da Silva recebeu 1,6 milhões na Galp. Só Mexia recebeu mais

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião