Imparidades dos bancos vão ser deduzidas à fatura fiscal

  • ECO
  • 13 Abril 2017

Ao todo vão ser mais de nove mil milhões de euros que os bancos vão poder deduzir no IRC, de forma faseada, nos próximos 15 anos. O reconhecimento fiscal será imediato, mas a dedução será por fases.

O Governo vai avançar com um modelo fiscal em que os bancos vão poder abater ao IRC as perdas pelo reconhecimento de imparidades. Deste total, 75% será reconhecido como imposto diferido. A notícia é avançada esta quinta-feira pelo Jornal de Negócios, que revela que a dedutibilidade das imparidades será feita de forma faseada ao longo de 15 anos. O valor total, segundo a proposta de lei, poderá ser superior a nove mil milhões de euros.

O Negócios escreve que o sistema bancário vai poder abater como custo final a totalidade dos ativos por impostos diferidos que tenham sido registados até ao final do ano passado. Segundo o jornal, num passado recente os bancos acumularam valores elevados de ativos por impostos diferidos e esta é uma forma do Executivo estabilizar o quadro fiscal das imparidades dos bancos.

Este crédito fiscal será “abatido” de forma faseada para que o impacto nas finanças públicas, nomeadamente na receita de IRC, será minimizado. Do lado dos bancos, segundo o Negócios, a fórmula prevista na proposta de lei permite salvaguardar os rácios de capital, que não saem afetados com a medida. A lei terá ainda de prever regras anti-abuso, nomeadamente a proibição de deduzir fiscalmente imparidades com origem em créditos concedidos a acionistas com mais de 2% do capital.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Imparidades dos bancos vão ser deduzidas à fatura fiscal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião