Eleições francesas: Políticas orçamental e económica serão chave para ‘rating’ da Moody´s

  • Lusa
  • 24 Abril 2017

Este domingo realizaram-se as eleições presidenciais franceses com Macron e Le Pen a passar à segunda volta. A Moody's diz que as prioridades são as políticas orçamental e económica.

A agência de rating norte-americana Moody’s considerou esta segunda-feira que “as políticas orçamentais e económicas são provavelmente as principais responsáveis pelo ‘rating’ na próxima presidência francesa, dada a dívida do país e os desafios de crescimento”. Num comunicado, a empresa de rating adianta que “vai avaliar quaisquer implicações de crédito associado com a eleição presidencial em França, quando o resultado for conhecido”.

O centrista Emmanuel Macron liderou a primeira volta das presidenciais de domingo com quase mais 2,5 pontos percentuais do que a candidata da extrema-direita, Marine Le Pen. De acordo com os dados do Ministério do Interior, quando faltava apurar apenas 3% dos votos, Macron contava com 23,86% dos votos, enquanto Le Pen ficou com 21,43%. Em terceiro lugar ficou o conservador François Filon, com 19,94%, enquanto Jean-Luc Mélenchon (esquerda) obteve 19,62% dos votos.

O candidato socialista, Benoît Hamon, que foi quinto, pagou o preço de um mandato impopular e não conseguiu reconciliar um partido dividido entre os defensores de uma linha de esquerda e os que preferem uma orientação mais social-liberal.

A ferida abriu-se quando alguns socialistas apelaram ao voto em Emmanuel Macron, nomeadamente Manuel Valls, que quebrou a promessa de apoiar o vencedor das primárias socialistas, justificando-se com o risco de vitória da candidata da extrema-direita, Marine Le Pen.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Eleições francesas: Políticas orçamental e económica serão chave para ‘rating’ da Moody´s

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião