França chega a Wall Street. Investidores respiram de alívio e bolsas disparam

O apetite dos investidores pelo risco está a aumentar e a levar as bolsas norte-americanas a valorizarem mais de 1%. Em sentido contrário seguem os ativos de refúgio, com o ouro a cair mais de 1%.

O ânimo com os resultados da primeira volta das eleições francesas já chegou a Nova Iorque. Esta segunda-feira, e depois de ter fechado a semana em queda, Wall Street abriu com ganhos expressivos, tranquilizada pela vitória temporária de Emmanuel Macron sobre Marine Le Pen.

O apetite dos investidores pelo risco está a subir e a levar as bolsas norte-americanas a avançar acima de 1%. O índice de referência S&P 500 sobe 1,07%, para os 2.373, pontos, enquanto o tecnológico Nasdaq valoriza 1,16%, para os 5.978,39 pontos. Já o industrial Dow Jones soma 0,99% e chega aos 20.752,66 pontos.

Em sentido contrário seguem os chamados ativos de refúgio: o ouro está a desvalorizar mais de 1%, para os 1.270,44 dólares a onça, enquanto o iene recua face ao dólar.

A puxar pelas bolsas norte-americanas está sobretudo o setor financeiro, enquanto o setor energético impede ganhos mais expressivos. Isto numa altura em que o petróleo está a desvalorizar 0,44% e negoceia abaixo dos 50 dólares por barril em Nova Iorque. A pressionar o preço da matéria estão as expectativas em torno de um novo aumento das reservas norte-americanas.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

França chega a Wall Street. Investidores respiram de alívio e bolsas disparam

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião