IMI: Fisco suspende imposto a cinco mil casas

  • ECO
  • 27 Abril 2017

As notas de pagamento estão atrasadas para certificar se que algumas casas reavaliadas são abrangidas pela cláusula de salvaguarda que impede um aumento drástico de ano para ano.

A conta do IMI costuma ter de ser paga em abril mas a Autoridade Tributária e Aduaneira (AT) suspendeu o pagamento do imposto em cinco mil imóveis, escrevem esta quinta-feira o Diário de Notícias e o Dinheiro Vivo, em casos em que tinha havido pedidos de reavaliação. O objetivo é saber, antes de cobrar o imposto, se os contribuintes que pediram a reavaliação estão abrangidos pela nova cláusula de salvaguarda que impede um aumento de mais de 75 euros ou de um terço da diferença em relação ao imposto do ano anterior.

A suspensão do imposto quando o valor patrimonial da casa não está consolidado está prevista nas regras da AT, mas segundo o DN/Dinheiro Vivo todos os pedidos de reavaliação efetuados em 2016 passam a ser abrangidos pela suspensão, para ter a certeza de quais os casos que são afetados pela cláusula de salvaguarda.

Se o pedido de reavaliação tiver sido efetuado através do Modelo 1 e com efeitos a 2016, a cobrança do IMI fica assim suspensa até que se conheçam mais pormenores. Segundo disse ao DN/Dinheiro Vivo o especialista da DecoProteste António Ernesto Pinto, a decisão faz sentido porque, segundo o regime anterior, primeiro era feito o pagamento e depois o acerto, e agora a lógica inverteu-se.

“Imaginemos uma pessoa que com o VPT antes da atualização tinha 400 euros de IMI, mas que com o novo VPT vê o imposto baixar para 300 euros. O que acontecia é que pagava agora a parte devida e na fase seguinte [neste caso em novembro] seria feito um acerto. Agora, nos casos em que houve pedido de atualização mas este não foi repercutido em tempo útil no cálculo do imposto, as notas de liquidação são suspensas”, explicou.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

IMI: Fisco suspende imposto a cinco mil casas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião