BdP já respondeu à tentativa de travar venda do Novo Banco e invoca “interesse público”

Carlos Costa entregou uma resolução fundamentada em resposta à providência cautelar apresentada por grandes investidores para travar a venda do Novo Banco. BdP fala de resolução pela primeira vez.

O Banco de Portugal já respondeu oficialmente às providências cautelares entregues por grandes investidores para travar a venda do Novo Banco ao fundo Lone Star. Um grupo, liderado pela BlackRock e pela Pimco, que perdeu mais de mil milhões de euros quando o banco central decidiu transferir cinco linhas de obrigações do Novo Banco para a massa falida do Banco Espírito Santo (BES), ou o chamado “banco mau”. O ECO sabe que o banco liderado por Carlos Costa defende a sua posição, referindo o “interesse público” para justificar a venda do banco de transição, de acordo com o artigo 128º do Código do Processo de Tribunais Administrativos (CPTA). E alerta para os vários riscos existentes caso esta venda não aconteça. Um deles é a resolução.

“Perante uma ação tão discriminatória e prejudicial, o grupo que representa mais de dois terços dos títulos no valor de 2,2 mil milhões de euros não tem alternativa se não avançar com procedimentos legais contra o Banco de Portugal, numa tentativa de recuperar as perdas dos seus clientes.” Foi esta a justificação apresentada pela BlackRock, um dos nomes conhecidos neste processo, para travar a venda do Novo Banco. Mas o ECO sabe que o banco central português apresentou na passada sexta-feira uma resolução fundamentada no Tribunal Administrativo do Círculo de Lisboa, onde entraram cinco processos que visam contestar esta operação. Agora, será necessário aguardar pela decisâo do tribunal.

Nesta resolução, o Banco de Portugal mantém a sua posição: a venda do Novo Banco é do “interesse público”. Carlos Costa refere, no documento entregue no tribunal, que há riscos caso a venda do banco de transição ao fundo norte-americano Lone Star não se concretize. Neste processo, há três hipóteses: venda, liquidação ou resolução. Com a venda em curso e uma liquidação totalmente afastada, como já tinha sido avançado pelo ECO, resta uma resolução. Uma solução que é referida oficialmente pela primeira vez nesta resposta aos grandes investidores, de acordo com uma fonte próxima do processo. Contactado pelo ECO, o Banco de Portugal não respondeu até ao momento.

Ao todo, estes investidores perderam 1,5 mil milhões de euros quando o Banco de Portugal decidiu transferir estes títulos de dívida sénior do Novo Banco para a massa insolvente do BES. O grupo defende que o melhor para Portugal seria chegar a acordo, assegurando que este resultaria num custo de financiamento mais baixo, além de beneficiar a reputação do setor financeiro.

A Aethel Partners, sociedade britânica de Ricardo Santos Silva, também pediu aos seus advogados para avançarem com uma ação no sentido de bloquear a venda do Novo Banco ao fundo norte-americano Lone Star. A empresa, que foi uma das interessadas no banco de transição que resultou da falência do BES, já disse ao Banco de Portugal que o processo de venda deve começar do zero.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

BdP já respondeu à tentativa de travar venda do Novo Banco e invoca “interesse público”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião