Bolsa nacional corrige de máximos. Energia pesa

Após três sessões a acelerar para novos máximos, o PSI-20 arrancou no vermelho. O índice abriu a perder 0,41%, pressionado pelo universo EDP e pela Galp Energia.

A bolsa nacional abriu a última sessão da semana no vermelho, com o PSI-20 a fazer uma paragem após três sessões consecutivas de valorizações para máximos do início do ano passado. O índice bolsista nacional está a ser pressionado sobretudo pela quebra dos títulos das energéticas.

O PSI-20 abriu a desvalorizar 0,41%, para os 5.214,07 pontos, com a maioria dos seus títulos a conhecerem perdas. Os títulos do universo EDP estão entre os principais responsáveis por esse recuo. As ações da EDP deslizam 0,53%, para os 3,19 euros, enquanto as da sua participada EDP Renováveis recuam 0,66%, para os 6,95 euros. No mesmo sentido segue a Galp Energia, cujos títulos perdem 0,68%, para os 13,90 euros, em sintonia com as cotações do petróleo nos mercados internacionais que deslizam em torno de 2%.

A pressionar o índice está também a Jerónimo Martins, cujas ações sofrem perdas de 0,42%, para os 16,75 euros, enquanto a Corticeira Amorim encabeça as perdas do índice luso: as suas ações recuam 4,56%, para os 11,40 euros.

Em alta, destaque para a Mota-Engil, cujas ações valorizam 0,77%, para os 32,63 euros. A construtora estende assim as fortes valorizações recentes. Ganhos muito ligeiros, registam as ações dos CTT: avançam uns escassos 0,09%, para os 5,67 euros. Estes são os únicos títulos a avançar neste arranque de sessão.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bolsa nacional corrige de máximos. Energia pesa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião