Portugal volta ao exame da Moody’s. E o trabalho de casa?

A agência volta atualizar rating da dívida portuguesa esta sexta-feira. Não se esperam grandes novidades na notação "lixo", mas Portugal tem feito o seu trabalho de casa nos últimos meses.

A Moody’s volta esta sexta-feira a pronunciar-se sobre o rating de Portugal, depois de falhar a avaliação que estava prevista para janeiro. O outlook estável atribuído pela agência deixa antever a manutenção do nível Ba1, considerado lixo e que se mantém desde julho de 2014. Mas pode haver novidades, quanto mais não seja por aquilo que terá a dizer em relação às mudanças (visíveis) que deverá encontrar face à última vez em que colocou o país em exame.

Na última avaliação a Portugal, emitida a 15 de dezembro, a Moody’s deixou bem claro o que a preocupava na altura. Os maiores desafios de crédito que o país enfrentava no final do ano passada estavam sobretudo relacionados com os seguintes aspetos:

  • O elevado fardo da dívida do governo;
  • As perspetivas de crescimento moderadas num cenário de elevado endividamento do setor privado;
  • Fraqueza do setor financeiro.

Em relação ao primeiro ponto, os receios quanto ao endividamento público deverão voltar a merecer reparos da parte da agência norte-americana. De acordo com os últimos dados, a dívida pública aumentou em março para 243,5 milhões de euros.

Ainda assim, no Programa de Estabilidade apresentado em abril pelo Executivo de António Costa, 2017 deverá terminar com a dívida pública nos 127,8% do Produto Interno Bruto (PIB), descendo de forma acentuada para 109,4% do PIB em 2021. Até aqui nada de novo.

É no plano económico onde Portugal guarda os maiores trunfos. A economia vai continuar a crescer nos próximos anos, estimam tanto Governo como Fundo Monetário Internacional (FMI). E o brilharete alcançado no défice orçamental de 2016, que ficou nos 2% e deverá permitir ao país sair do Procedimento por Défices Excessivos (PDE), argumenta em favor do Governo que tem insistido nas reclamações quanto à inação das agências em relação a uma melhoria do rating nacional.

No último ponto, sobre o setor financeiro, o cenário da banca nacional mudou de forma visível. A Caixa Geral de Depósitos concluiu a sua recapitalização e avança agora com o plano de reestruturação. O BPI e BCP registaram fortes mudanças nas respetivas estruturas acionistas que vieram dar solidez a ambas instituições. E o Novo Banco, que a Moody’s alertava para os riscos de nacionalização, está praticamente vendido ao fundo norte-americano Lone Star.

Em todo o caso, tal como outras agências como a DBRS já notaram, as fraquezas do sistema financeira concentra-se agora na montanha de crédito malparado que tem castigado a rentabilidade da banca nacional. O tema não deverá escapar à análise da Moody’s.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugal volta ao exame da Moody’s. E o trabalho de casa?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião