DBRS vê risco de “incumprimento seletivo” na troca de obrigações do Novo Banco

Agência canadiana vê risco de incumprimento seletivo na troca de obrigações séniores do Novo Banco. Coloca rating sob revisão com implicações negativas.

A agência de notação financeira DBRS colocou esta sexta-feira as obrigações seniores do Novo Banco sob revisão com implicações negativas, “ameaçando” baixar ainda mais o rating de ‘CCC’ que atribui àqueles títulos de dívida. Para os canadianos, a troca de obrigações seniores que serve como uma das condições para fechar a venda do Novo Banco ao Lone Star pode representar um “incumprimento seletivo” da instituição.

“Durante o período de revisão, que poderá durar mais de três meses, a DBRS irá focar-se nos termos e condições da operação de troca de obrigações seniores, que ainda são desconhecidos neste momento. A DBRS irá possivelmente considerar qualquer operação como problemática se os termos da troca forem desfavoráveis para os obrigacionistas”, diz a agência canadiana num comunicado publicado esta quinta-feira.

“Num acontecimento como este, a DBRS antecipa que os ratings da dívida sénior do Novo Banco sejam reduzidos para o nível ‘D’ para refletir (…) uma oferta coerciva para os obrigacionistas seniores e um incumprimento dos títulos“, justifica ainda.

Neste sentido, os analistas concluem que o rating do Novo Banco deverá ser considerado como estando em “incumprimento seletivo” na medida que consideram que o Novo Banco falhou em cumprir uma obrigação em torno da dívida emitida.

"A DBRS antecipa que os ratings da dívida sénior do Novo Banco sejam reduzidos para o nível ‘D’ para refletir (…) uma oferta coerciva para os obrigacionistas seniores e um incumprimento dos títulos.”

DBRS

Em causa está uma das condições para o Lone Star injetar mil milhões de euros no Novo Banco e que passa pela troca “voluntária” de obrigações seniores por outros títulos de dívida que permitam ao banco liderado por António Ramalho reforçar a sua posição de capital em 500 milhões de euros.

Na conferência de anúncio de venda do Novo Banco, no dia 31 de março, o governador Carlos Costa sublinhou que “a solução desenhada não envolve uma ação não voluntária” e “não afetará o capital” dos obrigacionistas.

A venda está ainda dependente da aprovação do Banco Central Europeu (BCE) e da Comissão Europeia.

Nas últimas duas semanas, o risco associado à dívida sénior do Novo Banco disparou. A taxa de juro exigida pelos investidores chegou a disparar dos 9% para os 17%, assim como os Credit Default Swaps (CDS), os seguros desta dívida.

(Notícia atualizada às 17h31)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

DBRS vê risco de “incumprimento seletivo” na troca de obrigações do Novo Banco

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião