“Novo Banco já é um caso de sucesso pela resistência”

António Ramalho diz que Novo Banco é um caso de sucesso pela resistência e pela gestão dos sucessivos desafios. Fundo de Resolução aprovou contas sem reservas dos auditores.

Para António Ramalho, o “Novo Banco é já um caso de sucesso pela resistência e pela gestão de sucessivos desafios“. Na mensagem incluída no relatório e contas de 2016 aprovado esta terça-feira pela assembleia geral, o presidente executivo diz que “tudo indica que após este período transitório poderá finalmente retomar o seu lugar cimeiro no apoio às empresas e aos particulares que apostam no serviço de qualidade, que, aliás, nunca perdeu”.

Ramalho reforça a ideia de sucesso na administração de um banco num contexto em que a venda da maioria do capital foi feita após o encerramento de exercício. Este facto “torna o ano de 2016 ainda mais bem-sucedido na gestão da transição, das oportunidades e dos desafios“, declarou o CEO da instituição.

Destacou o crescimento dos depósitos de particulares, que aumentaram 832 milhões de euros, e ainda produção de crédito habitação, que cresceu 110%, num ano em que o banco aproveitou para reduzir os seus custos operativos em 21,7%, em 164 milhões de euros.

“Naturalmente estes contributos para a normalização não nos fazem esquecer o longo trabalho de reabilitação do Novo Banco com que nos comprometemos”, sublinhou Ramalho, agradecendo a “lealdade exigente dos clientes” e a qualidade dos colaboradores do banco.

O banco fechou 2016 com prejuízos de mais de 788 milhões de euros, traduzindo-se numa redução de 15% das perdas face ao ano anterior. Em março deste ano, o Fundo de Resolução decidiu a venda de 75% do capital do Novo Banco ao Lone Star, uma operação que está ainda dependente do cumprimento de algumas condições, entre as quais a conclusão da oferta de troca de obrigações.

Contas sem reservas

As contas da instituição foram aprovadas pelo Fundo de Resolução, o acionista do banco desde 2014, na assembleia geral que ocorreu esta terça-feira. E desta vez as contas “passaram” sem que o auditor, a PwC, manifestasse qualquer reserva em relação os números apresentados.

“Somos de parecer que o relatório de gestão foi preparado de acordo com os requisitos legais e regulamentares aplicáveis em vigor, a informação nele constante é concordante com as demonstrações financeiras auditadas e, tendo em conta o conhecimento e apreciação sobre o banco, não identificamos incorreções materiais”, lê-se na certificação emitida pelo auditor.

Na contas relativas a 2015, a PwC levantou uma reserva por limitação a propósito da exposição do Novo Banco ao angolano Banco Económico. Indicava que não tinha acesso a informação financeira auditada para os exercícios de 2014 e 2015 e ainda que não estava disponível um plano de negócios que permitisse avaliar as condições do banco.

Agora o auditor indica que durante 2016 manteve diversas interações com o conselho de administração para debater “as ações desenvolvidas por este para mensurar a imparidade associada à exposição ao Banco Económico” e que já obteve e analisou as demonstrações financeiras do banco angolano, assim como o plano de negócios “abarcando as atividades até 2019”.

(Notícia atualizada às 19h26)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“Novo Banco já é um caso de sucesso pela resistência”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião