Ninguém sabe muito bem o que se passa com o Montepio

Regulador já pediu informações. Os analistas contextualizam subida com passagem a sociedade anónima, mas... não há explicações para a valorização de 100% dos títulos do Montepio.

O Montepio continua a brilhar na bolsa. As unidades de participação valorizaram mais de 100% nas últimas duas sessões. Duplicaram de valor em menos de duas sessões. Mas ninguém sabe muito bem o que se está a passar, incluindo o banco, a Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) e os analistas.

A única certeza neste momento é que o fundo da Caixa Económica Montepio Geral, que está cotado no PSI-20 sob a forma de unidades de participação, vai passar em breve a sociedade anónima. Isto vai implicar a transformação destas unidades em ações. E é neste cenário que os operadores do mercados contextualizam os seus palpites quando confrontados com esta valorização acentuada em cima de um nível de liquidez bastante reduzido.

“Não há notícias, de facto. É difícil de dizer o que realmente se passa, mas provavelmente terá a ver com a mudança para sociedade anónima e com as implicações que poderá ter esta transformação das unidades de participação em ações. Mas daí para a frente tenho muitas dúvidas sobre o que poderá ser”, refere Albino Oliveira, gestor da Patris Investimentos, ao ECO.

"Não há notícias, de facto. É difícil de dizer o que realmente se passa, mas provavelmente terá a ver com a mudança para sociedade anónima e com as implicações que poderá ter esta transformação das unidades de participação em ações. Mas daí para a frente tenho muitas dúvidas sobre o que poderá ser.”

Albino Oliveira

Patris Investimentos

Para João Queiroz, diretor de negociação do Banco Carregosa, a única razão para este apetite comprador poderá “ter a ver alguma iminência ou alguma surpresa do novo acionista que pudesse entrar na estrutura de capital da Caixa Económica“. Ou seja, seria já o novo acionista a querer tomar posição na Caixa Económica antes da passagem do fundo a sociedade anónima. “Porque de resto não há mais nada além do que se vem falando acerca da necessidade de entrada de um novo acionista”, sugere Queiroz.

Unidades com mais participação

Fonte: Bloomberg

Oficialmente, não há novidades nem explicações para estes movimentos abruptos que já acionaram o mecanismo que interrompe automaticamente a negociação na bolsa perante volatilidade extrema. Contactada pelo ECO, fonte oficial do regulador do mercado de capitais adiantou que solicitou informações ao banco liderado por Félix Morgado, mas que não há factos relevantes a comunicar. Do lado do Montepio, a resposta foi: “É o mercado a funcionar”.

Os títulos do Montepio estão a subir 25% para 0,78 euros, mas estiveram a acelerar 50% a meio da manhã aproximando-se da cotação de um euro com que as unidades foram admitidas na bolsa. Ao fim da manhã desta quarta-feira, já foram transacionados praticamente 400 mil títulos, o dobro da média diária dos últimos seis meses.

"A única razão que observo para ter este apetite é poder a ver alguma iminência ou alguma surpresa do novo acionista que pudesse entrar na estrutura de capital da Caixa Económica.”

João Queiroz

Banco Carregosa

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Ninguém sabe muito bem o que se passa com o Montepio

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião