PSD pede que crescimento se mantenha ou acelere ritmo

  • Lusa
  • 31 Maio 2017

Duarte Pacheco manifestou satisfação pelos números do PIB confirmados pelo INE, mas pede mais. "Portugal não pode recuar", enfatizou o deputado do PSD.

O PSD disse que está satisfeito com a confirmação do crescimento assente no investimento e nas exportações, como os sociais-democratas defendiam, e desafia o Governo a manter ou acelerar o ritmo.

Em declarações aos jornalistas à margem das jornadas parlamentares do PSD, que decorrem em Albufeira (Faro), o deputado do PSD Duarte Pacheco considerou que a confirmação de um crescimento de 2,8% no primeiro trimestre indicia duas coisas.

“Que a retoma que foi iniciada em 2014 se confirma e a bom ritmo, e que isso acontece com base no investimento e nas exportações que são as verdadeiras molas do desenvolvimento económico, aquilo que sempre defendemos”, disse.

O deputado social-democrata afirmou que o partido fica satisfeito com os valores alcançados, exigindo agora que estes se mantenham ou melhores.

"Que a retoma que foi iniciada em 2014 se confirma e a bom ritmo, e que isso acontece com base no investimento e nas exportações que são as verdadeiras molas do desenvolvimento económico, aquilo que sempre defendemos.”

Duarte Pacheco

Deputado do PSD

“Chegados aqui Que a retoma que foi iniciada em 2014 se confirma e a bom ritmo, e que isso acontece com base no investimento e nas exportações que são as verdadeiras molas do desenvolvimento económico, aquilo que sempre defendemos recupere face à União Europeia e para que o desemprego possa cair de forma consistente”, disse.

Duarte Pacheco apontou que seria desejável que o país crescesse a um ritmo de 3%, salientando que “qualquer inversão” significaria que o país estava a andar para trás.

“Portugal não pode recuar“, enfatizou.

O Instituto Nacional de Estatística (INE) confirmou hoje que a economia portuguesa cresceu 2,8% em termos homólogos e 1% em cadeia no primeiro trimestre deste ano, mantendo os números divulgados na estimativa rápida.

Desta forma, o INE confirmou que o desempenho homólogo do Produto Interno Bruto (PIB) no primeiro trimestre foi o mais positivo dos últimos 10 anos, já que iguala o crescimento verificado no último trimestre de 2007, período em que a economia portuguesa cresceu também 2,8%.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

PSD pede que crescimento se mantenha ou acelere ritmo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião