Desemprego: corte nos subsídios mínimos cai já no pagamento deste mês

  • Cristina Oliveira da Silva
  • 1 Junho 2017

Corte de 10% não poderá empurrar prestações para um patamar abaixo do IAS. Mas quem já recebe, desde o início, um valor mais baixo, continuará a ficar aquém deste patamar.

Dentro de algumas semanas, quando o subsídio de desemprego de junho for pago, há beneficiários que vão receber mais. Em causa estão os desempregados com prestações de valor mais reduzido, que ficarão protegidos, pelo menos parcialmente, do corte de 10%.

Em causa está uma alteração ao regime do subsídio de desemprego, já publicada em Diário da República, que, tal como António Costa tinha antecipado, entra em vigor esta quinta-feira.

O diploma passa a garantir que o corte de 10% que se aplica depois de seis meses de subsídio — introduzido em abril de 2012 — só abrange prestações acima do Indexante dos Apoios Sociais (IAS). Além disso, aquela redução não pode dar origem a um subsídio de valor inferior ao IAS, que, em 2017, corresponde a 421,32 euros.

O facto de o corte de 10% afetar prestações de valor mínimo já tinha gerado críticas do Provedor de Justiça.

A medida também abrange prestações em curso e, ao ECO, o ministério de Vieira da Silva garantiu que a eliminação ou redução do corte opera já no pagamento de junho (afastando assim a hipótese de ocorrer em julho com retroativos). Em regra, a Segurança Social paga os subsídios por volta de dia 23 de cada mês. O Ministério do Trabalho já tinha indicado antes que a media poderá abranger “cerca de 58% dos beneficiários de subsídio de desemprego que teriam um corte de 10% nas suas prestações”.

Corte cai mas há quem continue a ganhar abaixo do IAS

Ainda que fique agora garantido que o corte de 10% não poderá empurrar as prestações para um limiar abaixo do IAS, quem já recebe, desde o início, uma prestação inferior, continuará abaixo daquele patamar. Mas não terá o corte de 10%. Isto acontece porque nada muda na fórmula de cálculo do subsídio de desemprego.

Ou seja, o subsídio de desemprego continua a corresponder a 65% da remuneração de referência. Para calcular este valor, é preciso somar todos os salários declarados à Segurança Social nos primeiros 12 meses dos últimos 14 antes do desemprego (incluindo aqui, no máximo, um subsídio de férias e um de Natal devidos nesse período) e dividir o resultado por 12; o subsídio vai então corresponder a 65% deste valor.

Porém, há limites a ter em conta. Em regra, o subsídio que começa a ser pago a um desempregado não pode ficar abaixo de um IAS (embora o corte de 10% aplicado ao fim de seis meses pudesse, até aqui, baixar aquele valor). Além disso, a prestação também não pode ultrapassar 75% do valor líquido da remuneração de referência (que exclui descontos para a Segurança Social e IRS). Há, no entanto, uma exceção: se este valor ficar abaixo do IAS, aplica-se o montante mais baixo entre o IAS ou o montante líquido da remuneração de referência.

É o que acontece com remunerações mais reduzidas — que podem advir, por exemplo, de trabalho a tempo parcial. Um trabalhador com um salário muito baixo pode começar a receber, desde logo, um subsídio equivalente ao valor líquido da sua remuneração de referência, ainda que abaixo do IAS.

Um exemplo que consta no próprio guia prático da Segurança Social: uma pessoa com um salário de 300 euros conta com uma remuneração de referência de 350 euros. O valor do subsídio (65%) seria de 227,5 euros mas, assumindo que é solteiro e sem filhos, o valor de 75% da remuneração de referência líquida rondaria 234 euros. Sendo este valor abaixo de um IAS, tem direito a receber o valor líquido da remuneração de referência: 311,5 euros. Ao fim de seis meses, esta pessoa já não terá o corte de 10% que se aplicava até aqui.

Além dos limites referidos, o subsídio também não pode em caso algum exceder 2,5 IAS (1.053,3 euros em 2017).

 

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Desemprego: corte nos subsídios mínimos cai já no pagamento deste mês

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião