Cimpor vai ser retirada de bolsa

Os acionistas da Cimpor decidiram retirar a cimenteira da bolsa. Mas pode regressar ao mercado de capitais se as economias onde opera registarem melhorias.

Os acionistas da Cimpor decidiram retirar a cimenteira nacional de bolsa, depois da assembleia geral realizada esta quarta-feira. Mas admitem voltar a colocar a empresa no mercado de capitais se observarem melhorias nas economias onde opera.

“Considera a InterCement mais adequado à presente situação, designadamente para os acionistas minoritários da Cimpor, proceder à exclusão da negociação das ações da Sociedade do mercado regulamentado, por via da perda de qualidade de sociedade aberta“, informa a cimenteira portuguesa no comunicado enviado há momentos ao mercado.

São cinco os argumentos que estão na base desta decisão:

  • A elevada concentração do capital social da Cimpor no acionista maioritário subscritor desta proposta e a consequente
    reduzida dispersão das suas ações pelo público em geral, com apenas 4,9% de free float e níveis de transação em mercado pouco significativos, não fazendo as ações já parte da composição dos principais índices bolsistas;
  • A não existência de cobertura ativa de equity research pelas instituições financeiras que possa assistir ao mercado das ações Cimpor;
  • O aparente afastamento dos acionistas minoritários evidenciado pela ausência dos mesmos nas assembleias gerais da Cimpor;
  • A evolução negativa das operações industriais no principal mercado da empresa – Brasil – e a deterioração expressiva dos seus capitais próprios e crescimento da dívida financeira;
  • Não estarem reunidas as condições para prosseguir, no curto prazo, com o aumento de capital com recurso a subscrição pública projetado anteriormente;

Detida em mais de 90% pelos brasileiros da Camargo Corrêa, a Cimpor deixa aberta a porta a um novo regresso ao mercado se se verificar “uma alteração positiva das circunstâncias que hoje afetam as economias dos países onde a empresa opera”.

“A Cimpor pode oportunamente voltar a abrir o seu capital, não obstante a impossibilidade de readmissão das suas ações à negociação em mercado regulamentado no prazo de um ano”, acrescenta ainda.

O facto de sair da bolsa não vai afetar as atividades da companhia em Portugal ou nas restantes geografias onde opera, assegura a InterCement, holding para o negócio dos cimentos da Camargo Corrêa.

Deste modo, a InterCement propõe-se a pagar uma contrapartida equivalente ao preço médio ponderado das ações da Cimpor no mercado Euronext durante os últimos 6 meses.

Esta era o único ponto que estava em cima da mesa de trabalhos da assembleia geral, tendo sido aprovada com 99,3% dos votos emitidos.

As ações da Cimpor fecharam a valorizar 2,04% para os 0,35 euros. Desde o início do ano, a cotada acumula uma valorização de 45,86%.

(Notícia atualizada às 16h50)

Apoie o jornalismo económico independente. Contribua

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso. O acesso às notícias do ECO é (ainda) livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo rigoroso e credível, mas não só. É continuar a informar apesar do confinamento, é continuar a escrutinar as decisões políticas quando tudo parece descontrolado.

Introduza um valor

Valor mínimo 5€. Após confirmação será gerada uma referência Multibanco.

Comentários ({{ total }})

Cimpor vai ser retirada de bolsa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião