Avaliação bancária das casas renova máximos

  • Ana Batalha Oliveira
  • 29 Junho 2017

A avaliação bancária das casas cresceu ligeiramente, atingindo um máximo de 70 meses em maio. Para Bruxelas, os preços de 2016 já estavam no limite.

A avaliação bancária das casas continua a bater recordes. Após o pico de 69 meses em abril, maio traz um novo máximo, embora a subida seja ligeira. O metro quadrado passou a valer mais um euro que em abril — 1.111 euros — e quase 5% acima de maio de 2016, dados que agravam os receios de uma bolha imobiliária no mercado nacional.

Foram as moradias as responsáveis pela subida na avaliação bancária, que compensaram a quebra de 0,2% em abril com um aumento de 0,5%, de acordo com os dados do Instituto Nacional de Estatística (INE). Os apartamentos mantiveram a avaliação, sendo que a avaliação média global dos imóveis no país se cifrou em 1.111 euros. Era de 1.110 em abril. O valor é o mais elevado desde julho de 2011.

No global, o Alentejo, o Norte e a Região Autónoma da Madeira lideraram nas subidas, o primeiro com um aumento de 1,2% e os restantes com mais 0,5% na avaliação bancária. Lisboa e Porto registaram variações de -0,1% e 0,1%, respetivamente, em cadeia. Na comparação com o ano passado, os preços estão 5,8% e 5,3% mais elevados.

Os preços que, de acordo com Bruxelas já estavam no limite em 2016, continuam a subir, à luz das avaliações feitas pelas instituições financeiras na altura em que concedem financiamento para a aquisição. A Comissão Europeia considerou a subida de 7,1% no valor médio do imobiliário registada em 2016 o limite a partir do qual a economia portuguesa poderia sofrer desequilíbrios.

No final da semana passada o INE já tinha revelado um crescimento de 7,9% nos preços das casas durante o primeiro trimestre, em relação ao período homólogo de 2016. Este movimento dos preços foi acompanhado pela procura: o número de casas vendidas aumentou quase 20%.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Avaliação bancária das casas renova máximos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião