Bruxelas pede “medidas fortes” para cortar défice tarifário da eletricidade

Os técnicos da Comissão Europeia e do Banco Central Europeu terminaram ontem a missão pós-troika e reiteraram o pedido de "medidas fortes" para reduzir o elevado défice tarifário da eletricidade.

Os técnicos da Comissão Europeia e do Banco Central Europeu estiveram em Portugal de 26 de junho a 4 de julho na sexta missão de acompanhamento pós-programa de ajustamento. Num comunicado divulgado esta quarta-feira sobre a visita, Bruxelas e Frankfurt pedem “medidas fortes para reduzir o elevado défice tarifário da eletricidade”. Além disso, a equipa das instituições europeias elogia as melhorias da economia portuguesa, nomeadamente no mercado de trabalho, sublinhando que se deveram também às “reformas bem-sucedidas implementadas pelas autoridades portuguesas há alguns anos”.

O alerta de Bruxelas relativo à eletricidade já vem desde que a troika entrou em Portugal por causa do programa de ajustamento. Nesta sexta visita pós-programa, as instituições europeias insistem no corte das rendas “excessivas” da eletricidade. Depois da investigação do Ministério Público aos CMEC, este assunto também passou pelo Parlamento no início de junho com o primeiro-ministro a acusar as empresas do setor energético de terem manhas para contornar os quadros regulatórios e contratuais, “com a cobertura das entidades reguladoras”.

Este é um dos pontos do comunicado da visita que, no geral, elogia o desempenho da economia portuguesa, tal como tinha feito o Fundo Monetário Internacional que também visitou Portugal recentemente. “Em comparação com a última missão, a situação económica e financeira de Portugal no curto prazo melhorou“, escrevem os técnicos, referindo que a recuperação da economia tem permitido combater os riscos do curto prazo. O desafio é manter essa trajetória, sendo que a previsão de Bruxelas é que a economia abrande a médio prazo. Por isso, os técnicos recomendam que se implementem reformas e se continue com a consolidação orçamental para aumentar a resiliência do país face a choques externos.

Um dos principais elogios vai para a queda do desemprego e o aumento da criação do emprego, sublinhando que esta mudança também se deve às “reformas bem-sucedidas implementadas pelas autoridades portuguesas há alguns anos” — algo que já tinha sido destacado pela OCDE que disse que, em parte, a melhoria do mercado de trabalho estava relacionada com reformas do Governo anterior. As instituições europeias pedem, por isso, que se dê continuidade às medidas e que se garanta que os aumentos do salário mínimo “tenham em conta o crescimento da produtividade e o seu impacto na globalidade da estrutura salarial”.

O comunicado assinala que o investimento empresarial “começou recentemente a contribuir para a recuperação” económica. A “dinâmica” do crescimento em Portugal vem do setor exportador, em particular do turismo, mas os técnicos notam que “recentemente” houve um impulso no setor da construção, tal como indicou o FMI. No entanto, a subida do PIB no país só continuará a ser “robusto a médio prazo” se existirem “esforços continuados” para cimentar as reformas do passado e do presente.

Do lado orçamental, as instituições europeias reconhecem a importância da saída do PDE, mas avisam que as contas podem ser negativamente influenciadas pelo “tratamento estatístico” do apoio ao setor financeiro. Em causa está saber de que forma o Instituto Nacional de Estatística e o Eurostat vão contabilizar a recapitalização da Caixa Geral de Depósitos no défice. Além disso, os técnicos alertam para o perigo de “desvio significativo” do ajustamento estrutural das contas públicas, “refletindo um esforço de consolidação estrutural insuficiente”.

Por isso, Bruxelas continua a pedir que se implementar as “medidas necessárias” para garantir o ajustamento orçamental deste ano. Os técnicos querem contenção no crescimento da despesa e recomendam ao Governo que uso o crescimento económico para “acelerar a redução do défice e da dívida”. O comunicado destaca que há espaço para melhorar a eficiência da despesa pública em Portugal.

A nível macroeconómico, o comunicado assinala a necessidade de aumentar o “crescimento potencial” da economia portuguesa. Uma das vertentes dessa preocupação passa pelo setor bancário português que, segundo as instituições europeias, “tem feito progresso, mas [a recuperação] ainda não está completa”. Em causa está a fraca rentabilidade dos bancos portugueses por causa do crédito malparado. “As reestruturações dos empréstimos para as empresas viáveis têm de ser aceleradas”, pedem os técnicos, referindo que a plataforma que está a ser preparada e a estrutura legal de reestruturação “são iniciativas importantes”. “A missão incita as autoridades para avançar decisivamente com uma estratégia abrangente nesta matéria estabelecendo uma agenda ambiciosa com objetivo claros“, lê-se no comunicado.

Finanças: “A missão atesta a robustez do crescimento da economia portuguesa”

Em reação, o Ministério das Finanças afirma que “a missão atesta a robustez do crescimento da economia portuguesa”, fruto das exportações, investimento privado e mercado de trabalho. “Estes resultados assentam na mudança estrutural em curso, que coloca Portugal na melhor posição para crescer de forma sustentada e inclusiva desde que aderiu ao Euro”, garante o gabinete de Mário Centeno em comunicado enviado esta quarta-feira às redações, argumentando que “a missão saúda os esforços recentes para a consolidação do setor financeiro”.

Para o futuro, o Governo diz ter as mesmas preocupações que os técnicos relativamente às áreas das qualificações e competitividade, mas não faz nenhuma referência em específico ao pedido das instituições europeias relativo ao setor energético. Para reforçar o crescimento económico, o Executivo refere o contributo da implementação do Plano Nacional de Reformas (PNR).

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Bruxelas pede “medidas fortes” para cortar défice tarifário da eletricidade

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião