Dívida portuguesa na moda. Spread face à Alemanha em mínimos de 18 meses

Os juros da dívida nacional a dez anos caem pela quarta sessão consecutiva, com o spread face às bunds alemãs no prazo a dez anos a cair para 233 pontos. Um mínimo de 18 meses.

Os juros da dívida soberana nacional estão novamente a aliviar, com o spread da taxa a dez anos face à dívida alemã a estreitar-se para um novo mínimo de 18 meses. O movimento de queda é transversal a todas as maturidades, num dia em que a dívida nacional é também a que mais recua na Europa. O juros nacionais beneficiam do bom momento da economia nacional e do apetite que a dívida portuguesa está a despertar junto dos investidores institucionais.

A taxa a dez anos da dívida soberana nacional cai pela quarta sessão consecutiva, para níveis de há um mês. Nesse prazo, a yield recua 3,3 pontos base, para os 2,894%, em contraciclo com as bunds alemãs, que agravam em 1,5 pontos base, para os 0,557%. Essa evolução, faz com que o spread entre a dívida soberana nacional e a alemã se estreite para novos mínimos de 18 meses. O spread entre as taxas da dívida a dez anos dos dois países está nos 233,57 pontos, o patamar mas baixo desde o fecho de 19 de janeiro de 2016.

Spread da dívida nacional face à alemã

Nos restantes países periféricos, o sentimento geral é também de alívio das yields, mas com quebras mais curtas face ao que acontece com a dívida soberana nacional. A taxa a dez anos da dívida espanhola desliza 1,6 pontos base, para os 1,509%, enquanto a yield italiana na mesma maturidade cai 1,8 pontos base, para os 2,104%.

O alívio das yields nacionais acontece num período em que a economia portuguesa dá sinais de forte recuperação, com o PIB a crescer ao ritmo mais elevado desde o ano de 2007 e o Governo a proceder a reembolsos antecipados do empréstimo do FMI. Este bom momento da economia nacional que se reflete nos juros da dívida está a atrair investidores institucionais internacionais a investirem novamente nas obrigações soberanas nacionais. Entre estes grandes investidores estão, por exemplo, o Nomura.

As dinâmicas estão a mudar” para Portugal, afirmou neste domingo Richard Hodges, responsável pelo investimento em taxa fixa do Nomura Asset Management, relativamente às perspetivas sobre a dívida nacional, citado pela Bloomberg. Para além das perspetivas económicas favoráveis e os reembolsos antecipados ao FMI, “estão de alguma forma com acesso aberto aos mercados de financiamento” acrescentou o mesmo responsável.

Richard Hodges afirmou ainda que cerca de 10% do seu fundo consiste em obrigações de Portugal, metade das quais denominadas em dólares. “Temos vindo a aumentar a exposição e tem sido uma aposta bem-sucedida”, conclui o gestor.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Dívida portuguesa na moda. Spread face à Alemanha em mínimos de 18 meses

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião