Seis fogos mobilizam mais de 1.500 bombeiros

  • Lusa
  • 17 Agosto 2017

Os seis incêndios acompanhados com "maior preocupação" pela Proteção Civil mobilizavam ao final da tarde 1.584 operacionais, 449 viaturas e 24 meios aéreos.

Os seis incêndios acompanhados com “maior preocupação” pela Proteção Civil mobilizavam ao final da tarde 1.584 operacionais, 449 viaturas e 24 meios aéreos, nos distritos de Aveiro, Santarém, Vila Real e Viseu.

Segundo a adjunta de operações da Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC) Patrícia Gaspar, num ponto da situação às 19:00, o incêndio de Mação continuava a inspirar maior preocupação, alastrando já ao distrito de Portalegre, na zona de Belver, concelho de Gavião.

Desde as 00h00 de hoje registaram-se “um total de 135 ocorrências”, das quais 15 se encontram em curso, e a ANPC está a acompanhar com “mais atenção e mais preocupação” seis incêndios, incluindo o de Mação, distrito de Santarém, que mobiliza 1.038 operacionais, 303 viaturas e 13 meios aéreos.

Ainda no distrito de Santarém, as chamas que deflagraram hoje em Ferreira do Zêzere mobilizavam 87 efetivos, 25 veículos e duas aeronaves.

No distrito de Viseu estão a ser combatidos incêndios em Resende, por 147 operacionais, apoiados por 40 veículos e dois meios aéreos, e em Castro Daire, para onde foram destacados 121 efetivos, 34 viaturas e quatro meios aéreos.

Em Boticas, Vila Real, estavam no terreno 87 operacionais e 20 viaturas, apoiados por duas aeronaves, enquanto em Aveiro, na zona da Horta, as chamas estavam a ser combatidas por 104 operacionais, 27 veículos e uma meio aéreo.

De acordo com Patrícia Gaspar, o sinistro de Mação apresenta-se como de “maior complexidade”, porque depois dos trabalhos de consolidação durante a manhã, com o apoio de sete máquinas de rastos, o aumento das temperatura e do vento originou “imensas reativações”.

A situação agravou-se principalmente a zona sul da área consumida pelas chamas, nas zonas de Rosmaninhal, no perímetro da vila de Mação, nas Mouriscas e, mais recentemente, na Ortiga, a sul da autoestrada 23 (A23), onde estavam a ser concentrados todos os meios.

Os feridos reportados pelo Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM), registados desde 11 de agosto, foram atualizados “em 58 pessoas assistidas nos diferentes teatros de operações” e “92 feridos”, dos quais 85 ligeiros e sete feridos graves, adiantou a porta-voz da ANPC.

Durante o dia de hoje verificaram-se feridos ligeiros em Mação e em Resende, devido a inalação de fumo, e dois bombeiros sofreram ferimentos ligeiros no incêndio de Ferreira do Zêzere e não há qualquer ferido, entre os com mais gravidade, que corra risco de vida.

A declaração de calamidade, por precaução, anunciada hoje pelo Governo para vários locais do país foi uma “opção política” e Patrícia Gaspar explicou que a ANPC aguarda pela definição da decisão para verificar o alcance das medidas extraordinárias que podem ser adotadas para prevenção e combate aos incêndios.

Os incêndios levaram, no caso de Mação, ao corte da Estrada Nacional (EN) 244-3, entre Louriceira e Serra, EN244, entre Mação e Chão de Codes, a A23, nos dois sentidos entre os nós de Mouriscas e de Mação, e estava em avaliação o fecho de vias de acesso a Ortigas, por questões de segurança.

No distrito de Aveiro estava a ser avaliada a reabertura da A1, cortada devido ao fumo intenso, mas o combate às duas frentes de fogo estavam a evoluir favoravelmente, acrescentou a adjunta de operações da ANPC.

Em consequência dos incêndios mantinham-se ativados o plano distrital de emergência de Santarém e os planos municipais de Cantanhede, de Ferreira do Zêzere, de Vila de Rei, do Fundão e de Castelo Branco.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Seis fogos mobilizam mais de 1.500 bombeiros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião