Acordo com o PSD? Costa quer retomar a iniciativa política

No comentário semanal na SIC, Marques Mendes afirmou que a entrevista de António Costa foi uma tentativa de retomar a agenda política. Mas Pedrógão Grande é um "abcesso".

António Costa deu uma entrevista em que desafiou o PSD, o principal partido da oposição, para um consenso nas obras públicas, nomeadamente no que respeita à negociação de fundos comunitários com Bruxelas. Marques Mendes diz que o primeiro-ministro quer retomar a iniciativa política, mas ainda há o problema de Pedrógão Grande.

“Se queremos ser competitivos temos de ter boas infraestruturas e para isso é necessário consolidar conceitos. É extraordinário ver hoje notícias sobre o esgotamento do aeroporto de Lisboa quando há quatro anos havia quase uma guerra civil no país sobre a necessidade da construção de um novo aeroporto”, disse Costa ao Expresso.

Questionado pelo Expresso se conta com o PSD para ter a maioria de dois terços necessária na Assembleia da República para aprovar estes investimentos, que estão assentes num novo acordo com a União Europeia para fundos comunitários, Costa diz que “é fundamental [contar com o PSD]

 

“António Costa quis retomar a iniciativa política” com a entrevista concedida ao Expresso em que o primeiro-ministro abriu a porta a um consenso com o PSD. Para Marques Mendes, esta entrevista foi a forma de Costa voltar a assumir a agenda. “Anda atrás dos acontecimentos. Quer ser ele a marcar a agenda Mas não vai ser bem-sucedido”, disse o comentador.

“António Costa quer mudar a agulha”, depois de todos os problemas que tem tido, principalmente com o incêndio de Pedrógão Grande que vitimou 64 pessoas. “Ele não muda [a agenda política] enquanto não resolver Pedrógão”. “Pedrógão é um abcesso” para António Costa.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Acordo com o PSD? Costa quer retomar a iniciativa política

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião