5 coisas que vão marcar o dia

  • Ana Batalha Oliveira
  • 21 Agosto 2017

Lá fora, terminam as campanhas eleitorais em Angola e a Coreia do Norte pode acumular tensões com a Coreia do Sul. A OPEP repensa medidas. Cá, avalia-se o investimento internacional.

Segunda-feira é dia de suspense na política internacional. Termina o período de campanha eleitoral em Angola enquanto as tensões na Coreia do Norte podem aumentar, desta vez com a vizinha Coreia do Sul. Também lá fora, a OPEP reúne para discutir novas medidas que reequilibrem o mercado do petróleo. Em Portugal, faz-se o balanço do investimento estrangeiro para o segundo trimestre.

Portugal é atrativo para os investidores?

O Banco de Portugal lança as estatísticas da posição de investimento internacional para o segundo trimestre de 2017. Em 2016, Portugal conseguiu captar o maior valor de investimento direto estrangeiro dos últimos 20 anos, segundo o Inquérito à Atratividade de Portugal 2017, realizado pela EY. Alemanha e Espanha foram os maiores investidores.

Terrorismo mantém mercados sob pressão

Depois dos ataques na Catalunha, em Espanha, na Finlândia e também na Rússia, os investidores mostraram a sua apreensão. As últimas sessões têm sido de quedas consecutivas nos ativos de risco, levando muitos investidores a procurarem ativos considerados de refúgio, nomeadamente os títulos de dívida soberana mas principalmente o ouro. O metal precioso passou no final da semana passada a fasquia dos 1.300 dólares por onça. Será que a tensão nas ações vai dar ainda mais brilho ao metal amarelo?

 

“Fogo e Fúria” pode levantar as chamas

Na segunda-feira começam os treinos militares da Coreia do Sul. Apesar de já se encontrarem agendados há bastante tempo, este início pode acrescentar tensões com a Coreia do Norte numa altura em que as relações com os EUA preocupam. O presidente Trump, admite atuar com “fogo e fúria” sobre a Coreia do Norte enquanto Pyongyang diz ter planeado o lançamento de quatro mísseis para a ilha americana de Guam. Wall Street, bem como os restantes mercados acionistas mundiais, têm recuado na sequência desta troca de ameaças.

OPEP discute novas medidas

O comité técnico da OPEP reúne esta segunda-feira em Viena para discutir as medidas propostas na última reunião da organização. Na mesa estão a criação de um sistema para controlar a produção e outro para verificar o cumprimento dos acordos pelos membros. A Agência Internacional de Energia que apesar dos esforços da OPEP que estão a reequilibrar o mercado do petróleo, as reservas continuam demasiado elevadas.

Eleições em contagem decrescente em Angola

No dia 21 de agosto termina a campanha eleitoral para a presidência de Angola, permitindo a reflexão para as eleições que se realizam no dia 23. O sucessor mais provável para José Eduardo dos Santos é João Lourenço, do mesmo partido, o MPLA. A consultora BMI Research prevê “mais do mesmo em termos de política económica” embora alerte para o risco de revoltas populares. Também esta segunda-feira, o opositor da Merkel começa a rota de campanha na Alemanha.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

5 coisas que vão marcar o dia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião