Energia, dos recursos ao know-how

  • Filipe S. Fernandes
  • 24 Agosto 2017

O gás natural introduzido nos anos 90 deu uma maior competitividade à região da Beira Litoral. Para isso contribuem também o sol, o vento, o mar e os recursos hídricos.

A introdução da rede de gás natural nos anos 1990 do século passado deu uma maior competitividade ao tecido industrial da região da Beira Litoral, nomeadamente às indústrias consumidoras de energia como a cerâmica. Mas o sol, o vento, o mar e os recursos hídricos dotam a região de capacidades novas de competição.

Na produção de energia, a região de Coimbra conta, por exemplo, com a central termoelétrica de cogeração Soporgen, a central de biomassa da Figueira da Foz e ainda, com a central de ciclo combinado de Lares, que contribuíram para que a produção de energia térmica, a partir de resíduos florestais e de gás natural, ganhasse preponderância desde 2002, em detrimento da energia hídrica. Além dos parques eólicos do Açor e do Alto Arganil.

Existem ainda a Central de Biomassa TS Maria, em Oliveira de Azeméis, explorada pela empresa Alegria (grupo Simoldes). Refira-se ainda uma empresa que, para além da produção de pelletes, produz equipamentos — a Solzaima –, empresa fundada em 1978 e com sede em Águeda, que é líder nacional no fabrico de equipamentos de aquecimento a biomassa, desde a sua fundação. Produz caldeiras automáticas, e compactas alimentadas por pelletes, recuperadores de calor, salamandras e caldeiras a lenha, e oferece uma linha completa destes produtos.

Existem parques eólicos como o Alto Douro (251,7 MW) em Viseu, Pampilhosa da Serra (114,0 MW), Arada/Montemuro (112,0 MW), Toutiço (102,0 MW), Beiras (100,8 MW), Caramulo (90 MW), Lousã I eII (85 MW) e Vila Nova I e II (58,6 MW).

Surgiram também empresas especializadas na produção de equipamentos e componentes para produção de eletricidade eólica, como o grupo Martifer e o grupo ASM – A. Silva Matos, como a Ria Blades em Vagos, fabrica e comercializa pás de rotor para aerogeradores, fabricação de equipamentos e componentes para aerogeradores e para outros equipamentos destinados à produção de energias de fonte renovável; a PowerBlades sediada em Aveiro, e a Ventipower, em Oliveira de Frades (assemblagem de nacelles e hubs para turbinas eólicas). Refira-se também a empresa Torbel, empresa de Ílhavo, credenciada na I&D, conceção, venda, fabrico, montagem e serviço pós-venda de instalações de despoeiramento industrial, produção de energia a partir de biomassa e secagem de madeira. Existem ainda várias empresas a explorar o filão solar como a Martifer Solar.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Energia, dos recursos ao know-how

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião