Julho é o novo dezembro: Compras de verão ultrapassam as do Natal

  • ECO
  • 28 Agosto 2017

As lojas portuguesas receberam mais de 4 mil milhões de euros em pagamentos multibanco no mês de julho: um valor superior ao habitualmente registado na época natalícia.

Os estabelecimentos comerciais, que vão desde lojas a restaurantes e hotéis, receberam 4.056 milhões em pagamentos multibanco no mês de julho: um recorde que supera os valores da época natalícia. As contas são do Banco de Portugal.

Os portugueses gastaram, em média, 130 milhões de euros por dia, calcula o Correio da Manhã (acesso pago) com base no relatório do banco central. Um valor que reflete um crescimento de 10% nas compras por multibanco relativamente ao ano anterior, o que permite uma poupança de 30 milhões, já que os pagamentos em dinheiro saem 2,4 vezes mais caros à sociedade.

Os cartões são cada vez mais utilizados para compras de valores mais baixos, com a média do valor por cada transação a cair dos 40 euros em 2012 para os 38,6 euros em 2016, revela a SIBS, a gestora da rede multibanco.

Já os levantamentos caíram oito milhões entre os portugueses e sete milhões entre os estrangeiros, demonstrando uma preferência pela utilização de cartão em detrimento de dinheiro vivo. Foram levantados 2.737 milhões euros no total. Os levantamentos que os portugueses fizeram no estrangeiro subiram ligeiramente, 3,6 milhões de euros para os 41,6 milhões.

Estes dados são revelados numa altura em que é sabido que os turistas gastam 33 milhões de euros por dia em Portugal. Os turistas gastaram em 2017 o dobro daquilo que tinham despendido em 2016 nas suas visitas ao país mais solarengo da Europa. O turismo contribui desta forma em 65% para o saldo da balança de serviços, contabilizando mais de seis mil milhões no primeiro semestre.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Julho é o novo dezembro: Compras de verão ultrapassam as do Natal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião