Autoeuropa reúne-se com os sindicatos a 7 de setembro

A administração da Autoeuropa já comunicou a intenção de reunir com os sindicatos no próximo dia 7 de setembro. Trabalhadores estão em greve desde terça-feira à noite.

Os sindicatos afetos à Autoeuropa já têm reunião marcada com a administração da empresa para o próximo dia 7 de setembro. A informação foi avançada por um responsável sindical junto às instalações da companhia em Palmela, numa altura em que a produção está parada devido a uma greve.

“Há informação de que a administração já comunicou que quer reunir com a comissão sindical, e com o sindicato SITE Sul, no próximo dia 7 [de setembro]”, disse o responsável.

Este é um sinal de que poderão ser retomadas as negociações, no sentido de encontrar uma solução para as reivindicações dos trabalhadores. Nomeadamente a rejeição da semana de seis dias de trabalho, planeada para entrar em vigor em novembro, na sequência do fabrico do novo modelo da Volkswagen, o SUV T-Roc.

A reunião deverá, assim, acontecer antes mesmo da eleição de uma nova comissão de trabalhadores, depois de a anterior ter alcançado um acordo com a empresa que acabou chumbado pela maioria dos funcionários, o que ditou a demissão dos órgãos que a compunham. A nova comissão só deverá ser eleita a 3 de outubro.

Esta será também uma decisão incomum por parte da Autoeuropa. Esta terça-feira, António Chora, ex-coordenador da comissão de trabalhadores da empresa, disse que “tirando no caso de Bratislava”, as administrações das fábricas da Volkswagen não negoceiam com os sindicatos.

O responsável sindical atualizou ainda o ponto de situação da greve, apontando para uma paralisação completa da produção. “Como no primeiro turno das 23h30 e no turno da manhã, agora no turno da tarde, o das 15h30, a paralisação é total”, acrescentou. Esta é a primeira greve exclusiva da empresa, em 26 anos de atividade.

(Notícia atualizada às 16h43 com mais informações)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Autoeuropa reúne-se com os sindicatos a 7 de setembro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião