Tem títulos do Montepio? Prazo para vender na OPA acaba hoje

A OPA da Associação Mutualista sobre o Montepio termina esta sexta-feira. Se detém unidades de participação do Montepio e as quer vender nesta oferta terá de dar ordem nesse sentido ainda hoje.

Termina esta sexta-feira a Oferta Pública de aquisição (OPA) da Associação Mutualista Montepio Geral sobre a Caixa Económica Montepio Geral. Se tem títulos do Montepio e pretende vendê-los no âmbito desta oferta, isto significa que terá de o fazer ainda hoje.

Nesta oferta de aquisição que arrancou a 14 de agosto com o objetivo de retirar o Montepio da bolsa e abrir a porta da instituição aos acionistas da economia social, a Associação Mutualista dispõe-se a pagar um euro por cada unidade de participação. O valor que a entidade oferece por cada título iguala o preço a que estes foram vendidos numa primeira fase a investidores de retalho, quando o Montepio entrou para a bolsa em dezembro de 2013. Ou seja, pequenos investidores que compraram estas unidades aos balcões do Montepio.

O preço oferecido é cerca do dobro face ao valor a que os títulos negociavam quando a OPA foi lançada pela Associação Mutualista a 4 de julho. Logo no dia seguinte ao anúncio, a cotação das unidades de participação ajustou para perto do valor de um euro oferecido. Mas já depois disso foram realizadas transações acima dessa fasquia.

Quando foi tornado público o prospeto da OPA, a 11 de agosto, a entidade liderada por Tomás Correia informava que desde o anúncio preliminar da oferta já tinha conseguido comprar quase 12% das unidades do fundo do total de 26,5% unidades que ainda não detinha.

Mas caso não venda a sua participação dentro do período em que decorre a OPA nada está perdido. No mesmo prospeto que contém as condições da oferta, a entidade liderada por Tomás Correia assumiu o compromisso de comprar as ações que forem atribuídas aos detentores das unidades de participação que não aceitarem vender na OPA, na sequência da já anunciada transformação da caixa económica em sociedade anónima.

“O oferente manterá uma ordem permanente de compra das unidades de participação no mercado regulamentado Euronext Lisbon, bem como uma ordem permanente de compra fora de mercado regulamentado das ações ordinárias que entretanto sejam emitidas em substituição do capital institucional e das unidades de participação do fundo de participação como consequência da transformação da entidade visada em sociedade anónima”, indicava a Associação Mutualista.

Se preferir vender já hoje não se esqueça, contudo, que o prazo para dar instruções nesse sentido termina às 15h30.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Tem títulos do Montepio? Prazo para vender na OPA acaba hoje

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião