Contorna o fracasso: mais vale prevenir do que falhar

FailProof Business Academy junta-se à Câmara de Lisboa e ao Made of Lisboa para uma série de conversas sobre antecipação e prevenção do fracasso.

Costuma dizer-se que vale mais prevenir do que remediar. E talvez seja a pensar nisso que a FailProof Business Academy, a Câmara Municipal de Lisboa e o Made of Lisboa lançam esta semana o “Contorna o fracasso”, um ciclo de seminários que tem como objetivo ajudar os empreendedores a antecipar e a prevenir o falhanço dos seus projetos.

A ideia surge com base em números: 58% das empresas portuguesas fecham antes de cumprirem cinco anos e, ainda que esta realidade seja “aceite por muitos”, isso acontece “com resignação e um conformismo” que chocou a organização. Por isso, as três entidades decidiram criar conferências para falar do assunto e dar apoio a empreendedores que tenham dúvidas ou acidentes de percurso durante o caminho da ideia à prática e, sobretudo, no dia-a-dia que vem a seguir.

Além de mais de metade dos empreendedores verem as suas empresas a acabar, 70% dos inquiridos no Estudo Global de Empreendedorismo 2015, da Amway, admite o medo de falhar como um obstáculo à concretização dos objetivos. Por isso, depois das Fuck up Nights, o evento internacional onde os empreendedores falam sobre as suas histórias de fracasso, a FailProof decidiu criar mais um evento dedicado ao falhanço.

"O fracasso não é fatal, mas não aprender com ele pode ser. ”

FailProof

“Empreender é como viajar no espaço numa zona de asteroides. Sem um mapa de localização as probabilidade estão contra nós, mas se tivermos informação privilegiada de quem já passou pela experiência, o risco que corremos é muito menor”, explica a FailProof em comunicado.

O calendário dos primeiros encontros já está agendado: a 20 de setembro, fala-se de falhar na Techtris House – Enter, no Cais do Sodré, em Lisboa. Seguem-se o Impact Hub, a 26 de setembro, Startup Lisboa (28 de setembro), Centro Inovação da Mouraria (11 de outubro), Labs Lisboa (17 de outubro) e IES Social Business School (19 de outubro).

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Contorna o fracasso: mais vale prevenir do que falhar

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião