Dicas online e offline para encontrar casa em Lisboa ou Porto

A oferta é limitada, mas as opções para encontrar quarto ou casa são muitas em Lisboa ou Porto. Entre apps e formas mais tradicionais, conheça algumas das recomendações e hipóteses em cima da mesa.

É preciso paciência e perseverança para encontrar casa em Lisboa ou no Porto.

Procura casa em Lisboa? Neste início de época escolar, as notícias não são animadoras para quem vem estudar para a capital. Os preços estão a subir e a oferta é limitada. Além do mais, setembro é o mês de maior procura no mercado do arrendamento a estudantes. Vai para o Porto? A situação é semelhante. Nesse sentido, e porque encontrar casa não é tarefa fácil, o ECO reuniu algumas sugestões e conselhos para quem está à procura de teto.

Existem duas grandes formas de encontrar casa ou quarto: as mais tradicionais e também as digitais. Por permitirem fazer buscas sem sair do sofá, estas últimas tendem a ser as mais utilizadas pelos estudantes de hoje. Mas não ponha totalmente de parte os métodos do antigamente: em alguns casos, estão a revelar-se mais eficazes do que as plataformas eletrónicas de arrendamento e podem até ser mais baratos. Comecemos, então, por estes.

Olhe bem para cima

É um tiro no escuro mas, por vezes, revela-se eficaz. Experimente fazer uma visita à zona para onde se quer mudar. Alguns senhorios podem optar por afixar anúncios e números de telefone, sobretudo, nas janelas. Por isso, mantenha os olhos bem abertos. Claro que as afixações em postes e paragens de autocarro já não são tão comuns como antes — aliás, uma das juntas de freguesia de Lisboa, quando contactada pelo ECO, apontou que isso é agora ilegal. Mas não custa nada tentar.

Uma alternativa são os placares em hipermercados como, por exemplo, no Pingo Doce. O espaço é quase um suplemento de classificados mas, pelo meio, pode existir qualquer coisa. Outra hipótese mais plausível são os placares com quartos e casas para arrendar que existem em muitas universidades.

No Instituto Superior de Gestão, em Lisboa, há um perto da papelaria. No Instituto Superior de Economia e Gestão, há um na cantina, logo à entrada. Na Faculdade de Belas-Artes, a cantina também é o sítio onde procurar. Não se esqueça de procurar também nas associações de estudantes. É o caso da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas: há um placar com anúncios junto à associação, na Torre B.

Entenda que não há um “sítio oficial” com este tipo de anúncios. O ECO contactou várias juntas de freguesia de Lisboa, que disseram desconhecer existir algum espaço com este tipo de anúncios na zona. Por isso, em último caso, tente os cafés locais ou centros de cópias, por exemplo. Caso não encontre nada de interessante ou não conheça ninguém, o melhor a fazer é pedir ajuda à tecnologia.

Apps e mais apps

Se nos podemos queixar da pouca oferta imobiliária, o mesmo não podemos dizer acerca de plataformas para encontrar casa. O que não falta são aplicações para telemóvel, sites e outros canais mais informais com anúncios e pedidos para Lisboa e para o Porto.

Uma dessas plataformas é o Idealista, que se destaca por permitir desenhar no mapa a área onde pretende ver os anúncios disponíveis. Além disso, a vantagem é poder filtrar os resultados com base naquilo que procura: defina um intervalo de preços, diga com quantas pessoas quer ficar na mesma casa e se tolera animais de estimação. Mas tenha em mente que quanto mais exigente for, menor será a oferta. No limite, verá um mapa sem qualquer casa ou quarto disponível que corresponda aos seus interesses — por isso, seja flexível. O Idealista pode ser descarregado para telemóveis Android ou iPhones.

Outras alternativas são as plataforma da FixeAds. O Imovirtual permite encontrar apartamentos, moradias, quartos e por aí em diante: selecione o que pretende e escolha a opção “para arrendar”. De seguida, selecione a cidade que tem na mira. Há várias opções e diversos preços. A maioria dos anúncios também tem fotografias. No OLX, o funcionamento é semelhante e há uma opção específica com todos os anúncios de “quartos para arrendar”. Só tem mesmo é de selecionar a cidade, seja ela Lisboa, Porto, ou outra. Experimente ainda o concorrente CustoJusto, que também tem secções dedicadas ao arrendamento imobiliário e alguns anúncios que poderá não encontrar noutros sítios.

A Uniplaces, a conhecida startup portuguesa liderada por Miguel Santo Amaro, é outra das opções. Aliás, muitos dos anúncios da Uniplaces aparecem nas pesquisas que fizer noutros sites. As buscas fazem-se no site da empresa e pode procurar por cidade, bairro, zona ou universidade. Mas tenha em atenção que as modalidades costumam ser de alojamento de curta duração. Leia tudo com atenção antes de avançar com qualquer contacto.

A lista de plataformas é extensa e, às sugestões mais óbvias, juntam-se a CasaSapo (do portal Sapo), a BPI Expresso Imobiliário (do banco BPI e jornal Expresso) e, claro, a Remax e a Era Imobiliária. Uma alternativa menos óbvia para quem vai para Lisboa é o portal da Associação Lisbonense de Proprietários, que também tem alguma oferta.

Também tem sempre o Facebook, onde pode fazer algum pedido mais específico. Os grupos são vários:

Todas as hipóteses são poucas, por isso, recomendamos paciência e perseverança. Ative notificações, estabeleça contactos e — muito importante — visite os locais antes de se mudar definitivamente, para ter a certeza de que o sítio é a escolha ideal. Não tenha receio de questionar e negociar.

Candidate-se a uma residência

Por fim, há uma opção que também não deve pôr de parte: são as residências de estudantes. É comum haver preferência sobre os estudantes com bolsa de estudo, estudantes estrangeiros ou que já se encontravam matriculados na instituição de ensino no ano letivo anterior, mas os períodos de candidatura para novos estudantes arrancam por esta altura. E pode sempre tentar a sua sorte.

A Universidade de Lisboa, por exemplo, tem 18 residências na capital, num total de 865 camas. São 454 quartos no total: 311 duplos, 50 triplos e 93 individuais. Em bruto, há 537 vagas para raparigas e 328 para rapazes. Na Universidade Nova de Lisboa, os estudantes também podem contar com três residências universitárias.

A Universidade do Porto também tem uma vasta oferta de alojamento para estudantes. Mas o melhor a fazer é mesmo contactar diretamente a instituição de ensino para conhecer as possibilidades e condições, assim como os prazos de candidatura, uma vez que cada caso é diferente. Posto isto, acima de tudo, entenda que procurar quarto ou casa em Lisboa exige um pouco de esforço e mobilização. E que, apesar de aborrecido para muita gente, não é um bicho de sete cabeças. Boa sorte!

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Dicas online e offline para encontrar casa em Lisboa ou Porto

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião