Benfica obtém lucros recorde com venda de jogadores

O Benfica fechou a última época com lucros de 44,5 milhões. No ano em que se sagraram tetracampeão, encarnados quebraram fasquia dos 250 milhões de faturação com ajuda das transferências de jogadores.

O Benfica conseguiu lucros pelo segundo ano consecutivo. Obteve resultados líquidos de 44,5 milhões de euros, um valor que é explicado pelos encaixes financeiros com a venda de jogadores. Conseguiu, assim, mais do que duplicar os lucros no ano em que se sagrou tetracampeão.

“O resultado líquido ultrapassa os 44,5 milhões de euros, o que equivale a um crescimento de 118,4% face ao exercício transato, no qual já tinha atingido resultados positivos no valor de 20,4 milhões de euros, correspondendo ao quarto exercício consecutivo em que a Benfica SAD apresenta lucros”, refere no comunicado enviado à CMVM.

Os encarnados foram os campeões do mercado de transferências em Portugal no último defeso, com os rendimentos provenientes da venda de jogadores a ascenderem a 123 milhões de euros, mais 50% em relação ao ano passado. Para este resultado contribuíram sobretudo os milionários negócios de Ederson (contratado pelo Manchester City por 40 milhões, tornando-se no guarda-redes mais caro da história da Premier League), Victor Lindelöf (transferido para o United por 35 milhões) e Nelson Semedo (vendido ao Barcelona por 30 milhões).

Contas feitas, com os jogadores, prémios, receitas de televisão, entre outros, o Benfica conseguiu quebrar a barreira dos 250 milhões de euros em faturação na última época. Registou receitas totais de 253,5 milhões de euros, o que representa um aumento de quase 20% face ao último ano, uma “evolução explicada pelo crescimento dos rendimentos com transações de atletas e das receitas de televisão”.

Do lado dos gastos, aumentaram dos 118 milhões de euros para os 124 milhões, influenciados sobretudo pela subida dos gastos com pessoal para 74,7 milhões de euros.

Dívida passa da banca para os adeptos

Ao bom desempenho dentro de campo, o Benfica conseguiu melhorar a sua posição financeira na última temporada. Em concreto, a SAD encarnada viu o passivo diminuir mais de 17 milhões de euros para um total de 438,3 milhões de euros.

No comunicado enviado ao mercado, o clube da Luz destaca ainda a diminuição de 122 milhões de euros do passivo corrente, “dado que os compromissos com os empréstimos obtidos foram reestruturados e passaram para o passivo não corrente”.

Aliás, no âmbito desta reestruturação, o Benfica viu a dívida bancária registar uma “forte redução pelo segundo ano consecutivo”. Caiu 88,9 milhões de euros na última temporada, depois de ter contraído 49,7 milhões no ano anterior. Grande parte deste endividamento foi substituído pelo empréstimo obrigacionista realizado em abril e no qual a SAD encarnada conseguiu levantar 60 milhões de euros junto dos seus adeptos.

(Notícia atualizada às 17h42)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Benfica obtém lucros recorde com venda de jogadores

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião