Bruxelas nega evidência de concertação de preços de combustíveis em Portugal

  • Lusa
  • 28 Setembro 2017

A Comissão Europeia confirmou ter respondido a uma queixa de Lisboa sobre os preços dos combustíveis. Mas diz não haver evidência de violação das regras da concorrência.

A Comissão Europeia confirmou hoje ter respondido esta semana a uma queixa de Lisboa sobre os preços dos combustíveis em Portugal, considerando não haver evidência de violação das regras da concorrência.

“Concretamente em Portugal, a mera divergência entre os níveis de preços regionais, nacionais e internacionais não é suficiente por si só para demonstrar que há potenciais comportamentos anticoncorrenciais e justificar que a Comissão [Europeia] inicie uma investigação”, segundo um porta-voz do executivo europeu.

A mesma fonte confirmou que Bruxelas “recebeu uma carta do governo português no final de julho sobre os preços dos combustíveis em Portugal e os preços dos combustíveis de referência na UE. Enviámos resposta a essa carta no início desta semana”.

A Comissão Europeia esclareceu ainda que “neste momento, no seguimento de um pedido do governo português, a Autoridade da Concorrência está a realizar uma avaliação das condições de concorrência no setor de combustíveis rodoviários, bem como a margem de preço/custo ao longo da cadeia de valor dos combustíveis”.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Bruxelas nega evidência de concertação de preços de combustíveis em Portugal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião