EUA animam touro do petróleo. Preços sobem mais de 1%

  • Ana Batalha Oliveira
  • 28 Setembro 2017

O petróleo continua a valorizar. Os ganhos superam o 1%, e já se aproximaram dos 1,5%, perante a queda das reservas petrolíferas nos EUA.

O petróleo mantém a tendência de subida. Continua a valorizar, chegando a ganhar 1,5% nos mercados internacionais, animado pela queda inesperada das reservas da matéria-prima nos EUA.

O barril em Nova Iorque já acumula uma valorização de 24% desde o último mínimo, em junho, tendo entrado em bull market. O West Texas Intermediate (WTI) está a subir mais de 1%, colocando-se na fasquia dos 52,74 dólares. Já chegou a ganhar um máximo de 1,38% durante a sessão.

Os inventários de petróleo na maior economia do mundo caíram 1,85 milhões de barris, contrariando as previsões dos analistas consultados pela Bloomberg, que anteviam uma subida. É o reflexo do impacto dos furacões que atingiram o Golfo do México.

Simultaneamente, a Turquia está a ameaçar parar as exportações desta matéria-prima. Desta forma, os esforços da Organização de Países Exportadores de Petróleo (OPEP) para aumentar os preços do ouro negro são facilitados pela quebra da oferta, o que puxa pelos preços.

Já no arranque da semana as notícias de que o excedente russo estaria a chegar ao fim lançaram o entusiasmo nos mercados, levando o Brent, em Londres, a tocar máximos de 2015. O barril, referência para a Europa, está a valorizar 0,62% para os 58,26 dólares. Chegou aos 59,49 dólares.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

EUA animam touro do petróleo. Preços sobem mais de 1%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião