Citigroup abre novo centro no Luxemburgo. A mira são os clientes mais ricos

  • ECO
  • 13 Outubro 2017

O "Efeito Brexit" continua a pairar sobre o Citigroup. O banco norte-americano decidiu abrir um centro financeiro no Luxemburgo, dedicado a clientes com reservas mais avultadas.

A Citigroup está de olho em Luxemburgo… e nos seus clientes mais abastados. O grupo de bancos privados pretende abrir um novo centro financeiro no país, de modo a prevenir os seus clientes de um hard Brexit e do possível levantamento de tarifas e barreiras comerciais, avançava o Financial Times [acesso pago] esta quinta-feira.

A empresa norte americana anunciou a medida através de um comunicado ao jornal, sem especificar, porém, quantos postos de trabalho criará. O grupo avançou também que pretende criar um centro financeiro em Luxemburgo para os seus clientes europeus com um património mais elevado, no caso de um hard Brexit. Em causa estão clientes com riquezas estimadas entre os dez e os 25 milhões de dólares depositada no Citi, e para as quais os serviços ainda são prestados no Reino Unido.

A decisão surge meses após o anúncio da mudança de algumas das suas funções financeiras para Frankfurt. A deslocação de Londres para a cidade alemã levou à criação de 150 a 250 postos de trabalho na região. Outros bancos como o Deutsche Bank, a Standard Chartered e a Nomura Holdings seguiram-lhe as pisadas.

“A decisão é baseada naquilo que é o melhor para os nossos clientes e naquilo que nos permitirá continuar a prestar serviços aos nossos clientes sem quaisquer interrupções”, afirmou o Citi ao Financial Times.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Citigroup abre novo centro no Luxemburgo. A mira são os clientes mais ricos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião