Portugal volta ao mercado de curto prazo. Quer 1.250 milhões

IGCP regressa ao mercado esta quarta-feira para emitir bilhetes do Tesouro a três e 11 meses, com o objetivo de levantar até 1.250 milhões de euros.

Portugal volta ao mercado de dívida na próxima semana, depois da apresentação da proposta de Orçamento do Estado para 2018. O IGCP pretende levantar bilhetes do Tesouro a três e 11 meses num montante que poderá ascender a 1.250 milhões de euros.

“O IGCP vai realizar no próximo dia 18 de outubro pelas 10h30 dois leilões das linhas de bilhetes do Tesouro com maturidades em 19 de janeiro de 2018 e 21 de setembro de 2018, com um montante indicativo global entre 1.000 milhões de euros e 1.250 milhões de euros”, informou o instituto que gere a dívida pública.

Esta operação de financiamento de curto prazo surge num contexto favorável no acesso ao mercado, sobretudo depois de a Standard & Poor’s ter melhorado o rating de Portugal para um nível fora da categoria “lixo”. Foi neste ambiente mais positivo que o Tesouro português levantou esta quarta-feira 1.250 milhões de euros em obrigações a cinco e dez anos com os juros em forte queda.

Por outro lado, será a primeira ida ao mercado depois de o Governo apresentar o Orçamento do Estado para o próximo ano. O documento orçamental deverá dar entrada na Assembleia da República nas próximas horas.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugal volta ao mercado de curto prazo. Quer 1.250 milhões

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião