Portugal paga juro mais baixo desde 2015 com patrocínio da Standard & Poor’s

Na primeira ida ao mercado depois de a S&P ter retirado a dívida portuguesa do nível lixo, Portugal obteve os juros mais baixos desde 2015 para se financiar em 750 milhões com obrigações a dez anos.

Na primeira ida ao mercado a longo prazo depois de a Standard & Poor’s ter retirado a dívida portuguesa do nível lixo, Portugal obteve os juros mais baixos desde fevereiro de 2015 para se financiar em 750 milhões de euros com obrigações a dez anos. No duplo leilão realizado na manhã desta quarta-feira, a taxa de financiamento a cinco anos fixou-se abaixo de 1%. No total, levantou 1.250 milhões de euros.

Era uma operação de financiamento aguardada com expectativa depois da decisão inédita da agência S&P de melhorar o rating da dívida portuguesa no passado dia 15 de setembro sem ter antes colocado o outlook em terreno positivo. E os resultados do leilão de hoje refletem já um contexto mais favorável no acesso ao mercado.

No leilão a dez anos, foram emitidas obrigações do Tesouro num montante de 750 milhões de euros com a taxa de juro a ficar nos 2,327% — a procura superou duas vezes a oferta. É preciso recuar a 25 de fevereiro de 2015 para observarmos uma taxa mais baixa num leilão semelhante: na altura, pagou um juro de 2,0411% para obter 1,5 mil milhões de euros.

Quanto ao leilão de dívida a cinco anos, o IGCP conseguiu levantar 500 milhões de euros pagando um juro de financiamento de 0,916%, a taxa mais baixa desde, pelo menos, 2006, com a operação a apresentar um sólido apetite dos investidores: a procura foi 2,65 vezes superior ao que Portugal pretendia colocar.

É uma excelente notícia para Portugal estar a emitir dívida longa abaixo do custo médio da dívida portuguesa. Isso é que faz, verdadeiramente a diferença nos custos da dívida e que permite reduzir esses encargos, criando uma folga maior”, notou Filipe Silva, gestor de ativos do Banco Carregosa.

Estamos a colher os frutos da subida do rating e da perspetiva positiva dada pela S&P. O risco país tem descido substancialmente, o que pode ajudar as empresas portuguesas que pretendam financiar-se no mercado de dívida. Os investidores mostram continuar interessados na dívida portuguesa”, acrescentou o responsável.

Steven Santos, gestor do banco BiG, diz que “fatores positivos da situação creditícia de Portugal, como a economia diversificada e a elevada credibilidade institucional, a par da aceleração das exportações e da melhoria da confiança do consumidor, incentivam os investidores a olhar com renovado interesse em Portugal”.

Lembra ainda que “a colocação de dívida que vence em 2022 e 2017 deve-se ao interesse do IGCP em criar mais liquidez nas Obrigações do Tesouro em anos em que Portugal tem menos capital a reembolsar e juros do que noutros anos”.

Este leilão acontece nas vésperas de o Governo apresentar o Orçamento do Estado para o próximo ano, um documento sempre sensível para os investidores na medida em que apresenta as opções do Executivo português em termos de despesa e ainda a evolução das receitas.

"É uma excelente notícia para Portugal estar a emitir dívida longa abaixo do custo médio da dívida portuguesa. Isso é que faz, verdadeiramente a diferença nos custos da dívida e que permite reduzir esses encargos, criando uma folga maior.”

Filipe Silva

Gestor de ativos do Banco Carregosa

(Notícia atualizada às 11h20)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugal paga juro mais baixo desde 2015 com patrocínio da Standard & Poor’s

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião