Prejuízos nestes incêndios terão superado os de Pedrógão Grande, antevê ministro

  • Lusa
  • 18 Outubro 2017

O ministro Luís Capoulas Santos disse antever que os prejuízos provocados este domingo e segunda-feira pelos incêndios terão superado os resultantes do fogo em Pedrógão Grande.

O ministro da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural, Luís Capoulas Santos, afirmou esta quarta-feira que os prejuízos nos incêndios de domingo e segunda-feira devem superar os registados no fogo de Pedrógão Grande.

“Nos sete municípios de Pedrógão Grande os prejuízos foram estimados em valores superiores a 500 milhões de euros. Pela área geográfica agora atingida e pela violência do incêndio, não é difícil chegar à conclusão que estes prejuízos superarão muito largamente esse montante”, disse Capoulas Santos, que falava aos jornalistas após uma reunião com presidentes de municípios do distrito de Leiria afetados pelos incêndios de domingo, na Marinha Grande. O ministro sublinhou que, no incêndio de Pedrógão Grande, sete concelhos foram atingidos, sendo que agora há “mais de 30 municípios afetados”.

[Em] Pedrógão Grande, os prejuízos foram estimados em valores superiores a 500 milhões de euros. Pela área geográfica agora atingida e pela violência do incêndio, não é difícil chegar à conclusão que estes prejuízos superarão muito largamente esse montante.

Luís Capoulas Santos

Ministro da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural

Em declarações aos jornalistas, o ministro reiterou que os agricultores afetados pelo incêndio terão apoios à semelhança daqueles que foram disponibilizados aos produtores agrícolas atingidos pelos fogos de Góis e de Pedrógão Grande. Também na área das florestas, o Estado vai reabilitar “aquilo que foi destruído” em relação à “floresta pública”, sendo que, na floresta privada, serão concedidos apoios à reflorestação, que poderão ser de até 95% a fundo perdido no caso de particulares e de até 100% nos casos de entidades coletivas ou autarquias locais.

Além da reunião com os autarcas, Capoulas Santos visitou durante a manhã o Pinhal de Leiria. Cerca de 80% desta mata nacional ardeu durante o incêndio de domingo.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Prejuízos nestes incêndios terão superado os de Pedrógão Grande, antevê ministro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião