BMW poderá estar a violar leis da concorrência… desde 1990

  • ECO
  • 20 Outubro 2017

A BMW criou um cartel com outros fabricantes automóveis para combinar entre si que fornecedores e componentes utilizar em áreas como o sistema de filtragem das emissões. poluentes.

A denúncia partiu de um artigo do Der Spiegel no passado mês de julho, e as instalações da BMW em Munique receberam uma visita dos oficiais de antitrust da Comissão Europeia no início desta semana. Em causa está um relatório onde é alegado que os principais fabricantes de automóveis na Alemanha formaram um cartel desde os anos 90. A notícia é avançada pelo Financial Times esta sexta-feira.

A revista alemã avançou no verão passado que a BWM, a Daimler, a Volkswagen, a Porsche e a Audi têm organizado reuniões secretas desde 1990, de forma a concertarem vários aspetos técnicos dos seus veículos, nomeadamente ao nível dos fornecedores e dos componentes para o sistema de filtragem das emissões poluentes.

A Comissão Europeia já tinha anunciado a “inspeção sem aviso prévio” das autoridades de concorrência às instalações de um fabricante automóvel. Foi a própria BMW que se identificou como alvo das investigações. “A Comissão Europeia não abriu um processo formal contra o Grupo BMW”, afirmou o fabricante, citado pelo Financial Times.

A BMW já comunicou que pretende deixar claro que se distinga entre potenciais violações das leis da concorrência, das quais está a ser investigada, de manipulação ilegal das emissões de gases, das quais não lhe recaem quaisquer acusações.

“As inspeções são etapas preliminares no quadro dos inquéritos sobre atividades suspeitas de violarem a concorrência”, informou a comissão em comunicado. A Comissão Europeia pode aplicar pesadas multas às empresas que formem cartel, dado que prejudicam a concorrência e os consumidores.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

BMW poderá estar a violar leis da concorrência… desde 1990

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião