Endividamento da economia atinge novo recorde de 723,2 mil milhões em agosto

O endividamento das Administrações Públicas, empresas e famílias voltou a atingir um novo máximo em agosto. Subiu para 723,242 mil milhões de euros. Crescimento do PIB deverá acomodar recorde.

Depois de ter aliviado em julho, o endividamento da economia — setor público, empresas e famílias, excluindo-se os bancos — voltou a subir em agosto para um novo recorde: 723,242 mil milhões de euros. O setor público foi o responsável por esta subida, segundo os dados que foram reportados esta sexta-feira pelo Banco de Portugal.

O valor do endividamento, em termos nominais, tem crescido todos os meses desde o início do ano, com julho a ser a única exceção em 2017. Em agosto, regressou a tendência de subida, com um aumento de 1,48 mil milhões de euros.

Ainda que as empresas privadas e as famílias tenham contribuído para a desalavancagem da economia, o setor público não financeiro registou um crescimento do endividamento de 2,4 mil milhões de euros para um total de 319,2 mil milhões de euros.

Endividamento da economia volta a subir em agosto

Fonte: Banco de Portugal

Importa sublinhar, no entanto, que o Banco de Portugal reviu a série relativa ao endividamento do setor não financeiro. Por exemplo, em junho, o endividamento da economia havia batido um recorde nos 726 mil milhões de euros segundo os dados divulgados na altura. Mas este número foi agora atualizado para os 722,4 mil milhões (abaixo do valor de agosto) perante a revisão de toda a série, atingindo os 383,2% do PIB — quando no mesmo mês de 2016 tinha atingido os 389,7%.

Em relação a agosto, é expectável que o aumento da dívida nominal tenha sido acomodada pelo crescimento da atividade económica. Números do PIB do terceiro trimestre serão revelados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) no dia 14 de novembro.

Dívida pública líquida baixa

De acordo com o Boletim Estatístico divulgado hoje, o Banco de Portugal também procedeu alterações no reporte da dívida pública líquida de depósitos, passando a contar com os depósitos de toda a administração pública e não apenas os depósitos da administração, como fazia até agora.

Incorporando esta mudança, a dívida líquida de ativos em depósitos das administrações públicas atingiu assim os 222,7 mil milhões de euros em agosto — e não os 228,4 mil milhões como o banco central tinha reportado inicialmente.

Já dívida da República na ótica de Maastricht — a que importa para as regras comunitárias e um indicador acompanhado de perto pelos mercados — não registou qualquer alteração, mantendo-se em agosto acima do patamar psicológico dos 250 mil milhões, tal como havia sido anunciado no início do mês.

(Notícia atualizada às 11h56)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Endividamento da economia atinge novo recorde de 723,2 mil milhões em agosto

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião