Depois da DBRS, Dagong melhora rating do Novo Banco

  • ECO
  • 23 Outubro 2017

A agência de notação chinesa subiu o rating do banco liderado por António Ramalho. Esta melhoria acontece depois de ter sido concretizada a venda da instituição financeira ao fundo Lone Star.

Depois de a DBRS ter melhorado a perspetiva do rating do Novo Banco, agora foi a vez de a Dagong Global subir a notação do banco. Para a agência chinesa, esta melhoria é justificada pela conclusão da venda da instituição financeira liderada por António Ramalho ao fundo norte-americano Lone Star.

“O Novo Banco informa que a agência de rating Dagong Global tomou uma decisão de rating relativamente ao Novo Banco. A Dagong Global efetuou o upgrade do rating de crédito de longo prazo para “CCC+” de “SD” e efetuou o upgrade do rating de crédito de curto prazo para “C” de “SD”. O outlook dos ratings é positivo”, lê-se num comunicado do Novo Banco divulgado na Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM). “A decisão de rating foi tomada na sequência da aprovação e execução em 18 de outubro de 2017 da venda à Lone Star”, refere.

“Com a injeção de capital e a diminuição do saldo vivo das obrigações seniores, prevemos que o banco consiga melhorar significativamente a capitalização“, explica a agência de notação chinesa. A Dagong Global realça ainda que o Lone Star apresentou um plano de reestruturação, que inclui o “desinvestimento das operações não estratégicas, com o objetivo de alcançar alvos de eficiência restritos”.

"A decisão de rating foi tomada na sequência da aprovação e execução em 18 de outubro de 2017 da venda à Lone Star.”

Novo Banco

Esta melhoria acontece depois de a agência canadiana DBRS ter colocado o rating do Novo Banco sob vigilância de pendor positivo. Ou seja, pode vir a subir o rating a qualquer momento. A agência de notação disse que vai “avaliar a concretização da aquisição do Novo Banco pelo Lone Star e as suas potenciais implicações para o banco, a rentabilidade, o financiamento e capital”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Depois da DBRS, Dagong melhora rating do Novo Banco

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião