Pesca da sardinha interditada nas zonas centro e norte de Portugal, diz ministra do Mar

  • Lusa
  • 25 Outubro 2017

De forma a garantir a reprodução da espécie, o Ministério do Mar limitou a pesca da sardinha no norte e no centro. A ministra garante que tem estabelecido conversações com as comunidades piscatórias.

A ministra do Mar, Ana Paula Vitorino, disse esta quarta-feira à Lusa, que a pesca da sardinha será proibida em zonas da região centro e norte, por serem “áreas importantes para a reprodução da espécie”.

“Existem várias propostas em cima da mesa, maioritariamente na região centro, também existe alguma coisa no Norte. Mas é norte e região Centro [as áreas para onde se equacionam a proibição de pesca da sardinha]”, disse a governante, sublinhando estarem as zonas a serem delimitadas pelo Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) e pelos pescadores.

À margem da conferência o Valor dos Oceanos, a decorrer em Lisboa, a ministra precisou estarem a ser “mantidas conversas e reuniões de reflexão com as comunidades piscatórias para juntamente com o IPMA, já com informação científica, para se poder delimitar áreas em que não haverá pesca de todo, porque são áreas importante para a reprodução da espécie”.

Na reação a este anúncio, a Associação das Organizações de Produtores da Pesca (ANOP) do Cerco desafiou o Governo a concertar-se primeiro com Espanha numa estratégia conjunta para a sardinha, em vez de proibir a pesca nas zonas Norte e Centro do País.

“Não faz sentido estar à partida a aprovar medidas excecionais em Portugal sem haver uma coordenação com Espanha. Não queremos que sejam apenas os pescadores portugueses a sofrer as consequências ou ter maiores restrições do que os espanhóis”, afirmou à Lusa Humberto Jorge, presidente da Organização de Produtores do Centro e da ANOP Cerco, que representa as embarcações nacionais que capturam sardinha.

O dirigente remeteu uma posição oficial de todas as organizações de pesca do país para depois de uma reunião que vão ter na quinta-feira.

Notícia atualizada às 12h33 com reação da Associação das Organizações de Produtores da Pesca (ANOP) do Cerco.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Pesca da sardinha interditada nas zonas centro e norte de Portugal, diz ministra do Mar

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião