CTT admitem passar a gestão dos seus balcões a terceiros

Em conferência com analistas, os CTT revelaram que o plano de reestruturação da empresa poderá incluir a atribuição da gestão de balcões dos Correios a entidades terceiras.

A acentuada quebra dos seus lucros nos nove primeiros meses deste ano colocou em cima da mesa a necessidade de os CTT avançarem para uma reestruturação que poderá incluir a passagem a entidades terceiras a gestão dos balcões dos Correios. A possibilidade foi colocada em cima da mesa durante a conferência com analistas.

Esta possibilidade é avançada numa nota de research enviada aos clientes pelo Haitong, no seguimento de uma questão colocada pelo analista do banco de investimento Nuno Estácio.

“Quando questionado acerca do potencial encerramento de balcões e a abordagem dos reguladores nesse sentido, os CTT mencionaram que uma das formas de manter a rede poderia ser a passagem de balcões para uma terceira parte, embora nada tenha sido decidido nesse sentido”, escreveu o analista do Haitong.

A passagem a terceiros da gestão de balcões seria uma das formas de a instituição liderada por Francisco de Lacerda conseguir reduzir a sua estrutura de custos. Aquando da apresentação de resultados na passada terça-feira, os CTT anunciaram precisamente que iriam avançar com um plano de reestruturação de custos como forma de se reposicionarem no mercado. Na ocasião a empresa anunciava que “uma reestruturação considerável dos custos, para ajustar a escala de operações às atuais necessidades, está a ser preparada, para ser apresentada antes do final do ano”, prazo que foi confirmado pelos CTT aquando da conferência desta manhã.

Relativamente à conversa de responsáveis dos CTT com os analistas desta manhã para discutir as contas apresentadas, o Haitong diz que a “administração não foi capaz de mudar a perspetiva negativa que os investidores tinham após os resultados”.

O desempenho bolsista do título comprova isso mesmo. As ações dos CTT estendem as perdas, tendo já sinalizado um novo mínimo histórico ao tombarem perto de 5% até aos 3,771 euros. Neste momento, as ações dos CTT recuam 4,24%, para os 3,792 euros, perda que estende para um quarto a perda de capitalização bolsista da dona dos Correios em apenas duas sessões.

(Notícia atualizada às 15h30 com mais informações)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

CTT admitem passar a gestão dos seus balcões a terceiros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião