Vieira da Silva: “Só ignorância” explica afirmação de Maria Luís Albuquerque

  • Margarida Peixoto
  • 3 Novembro 2017

O ministro do Trabalho e da Segurança Social confrontou diretamente a ex-ministra das Finanças a propósito da consignação de parte da receita do IRC para o Fundo de Estabilização.

Vieira da Silva, ministro do Trabalho, abriu o debate da parte da tarde sobre o Orçamento do Estado para 2018.

“Só a ignorância ou a mais vulgar demagogia explicam esta afirmação”, acusou esta sexta-feira o ministro do Trabalho, Vieira da Silva, referindo-se a uma frase de Maria Luís Albuquerque, deputada do PSD, sobre a consignação de uma parte da receita do IRC para o Fundo de Estabilização da Segurança Social. O governante falava no arranque da sessão da tarde de debate na generalidade do Orçamento do Estado para 2018.

No primeiro dia de debate, quinta-feira, a ex-ministra das Finanças tinha acusado o atual Governo de tornar mais opaco o financiamento da Segurança Social ao eliminar as transferências extraordinárias e prever a consignação de uma parte da receita do IRC para a Segurança Social.

Esta sexta-feira, o ministro respondeu assim. E repetiu a afirmação, sublinhando a acusação de “ignorância” ou de “mais vulgar demagogia”.

Vieira da Silva, explicou de seguida que “não é a mesma coisa: as transferências extraordinárias destinavam-se a financiar despesa corrente das prestações sociais contributivas.” Já a consignação de receita ao FEFSS serve para engordar aquele que é uma espécie de pé-de-meia dos pensionistas. Este é um fundo que é acionado se o sistema contributivo entrar em falência.

“A consignação do IRC corresponde a uma diversificação estratégica do financiamento da segurança social. Integralmente para o Fundo de Estabilização Financeira e não para a despesa corrente. Para o futuro e não para o presente”, somou o ministro Vieira da Silva, para depois rematar: “Afinal, a direita não sabe ver uma reforma estrutural, mesmo quando ela lhe entra pelos olhos dentro.”

Durante os anos de crise, a Segurança Social foi recebendo transferências extraordinárias do Orçamento do Estado, para fazer face ao aumento das despesas, nomeadamente com subsídio de desemprego mas também com outras prestações. Agora, com a melhoria do mercado de trabalho e a consequente queda das despesas com prestações sociais e aumento das contribuições e quotizações, as transferências do Orçamento do Estado deixaram de ser necessárias.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Vieira da Silva: “Só ignorância” explica afirmação de Maria Luís Albuquerque

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião