Estado perdeu 13 milhões de euros com redução do valor das portagens

  • Lusa
  • 6 Novembro 2017

Reduções do valor de portagens no interior do país e na Via do Infante levam a perda de receita de 13 milhões. Estado está a avaliar as consequências globais deste modelo.

O Estado perdeu 13 milhões de euros com as reduções do valor de portagens no interior do país e na Via do Infante, no Algarve, apesar do aumento de utilização destas vias, revelou esta segunda-feira o ministro das Infraestruturas.

Na segunda sessão de respostas a deputados sobre o Orçamento do Estado para o próximo ano, Pedro Marques lembrou no Parlamento que o Governo reduziu, em agosto de 2016, o valor das portagens das autoestradas do interior e na Via do Infante (A22). “Quase parece ser um segredo bem guardado que se esqueceram de referir”, ironizou o ministro na resposta aos deputados.

“Com isso, os cidadãos daquelas regiões, aqueles que utilizam aquelas autoestradas já pouparam 24 milhões de euros, fruto da redução do preço das portagens”, quantificou o ministro.

Pedro Marques realçou que a redução das portagens conduziu ao aumento da mobilidade dos cidadãos através daquelas vias. “Apesar do aumento de mobilidade decorrente dessa redução das portagens, mesmo assim, nessas autoestradas, ao longo do ano, a fonte de receita global perdida [pelo Estado] foi de 13 milhões de euros”, salientou.

O ministro referiu ainda que o Governo continua “a avaliar as consequências globais deste modelo na mobilidade e na situação económica das regiões”.

Em outubro de 2016, a Infraestruturas de Portugal informou que três das quatro autoestradas do interior e do Algarve, que tiveram um desconto de 15% no preço das portagens, tinham registado no mês anterior um aumento das receitas. Os descontos foram aplicados no verão passado nas autoestradas A22 (Via do Infante – Algarve) na A23 (Beira Interior) A24 (Interior Norte) A25 (Beira Litoral e Alta) e o Túnel do Marão. Destas, apenas no caso da A24 houve uma quebra da receita em setembro de 2016, em 1,6%, para 1,88 milhões de euros, face aos 1,9 milhões de euros do período homólogo.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Estado perdeu 13 milhões de euros com redução do valor das portagens

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião