Mota-Engil América Latina? “Um dia esse caminho pode ser possível”

Presidente da construtora pensa em colocar o negócio africano ou o latino-americano na bolsa, mas lembra "tentativa falhada" com a Mota-Engil África para dizer que não está nos planos neste momento.

António Mota e as irmãs no aniversário dos 30 anos da Mota-Engil na bolsa portuguesa.Paula Nunes

António Mota, presidente da Mota-Engil que celebra esta segunda-feira 30 anos na bolsa de Lisboa, adiantou que a construtora admite lançar um novo IPO (initial public offering) do seu negócio em África ou até estrear a América Latina em bolsa, mas lembrou a experiência não tão bem-sucedida com a colocação da Mota-Engil África na bolsa de Amesterdão em 2014.

“Ter Mota-Engil África ou Mota-Engil América Latina? Um dia esse caminho pode ser possível”, referiu o presidente do Conselho de Administração da empresa portuguesa na cerimónia de aniversário da terceira década de presença no mercado de capitais. “Mas neste momento não há nenhuma intenção”, frisou ainda. Porquê?

O responsável lembrou a tentativa “falhada” com o IPO da Mota-Engil África que entrou na bolsa holandesa em 2014 e um ano depois já estava a ser reabsorvida pela casa-mãe a metade do preço de admissão. “Se calhar foi cedo demais para nós”, justificou o filho do fundador da Mota & Companhia, empresa constituída em 1946 por Manuel António da Mota.

"Ter Mota-Engil África ou Mota-Engil América Latina? Um dia esse caminho pode ser possível.”

António Mota

Presidente da Mota-Engil

Mais de 80% da carteira de encomendas encontra-se nos mercados de África e América Latina, avaliada em mais de quatro mil milhões de euros.

Questionado pelos jornalistas se a Mota-Engil EGL 1,43% pensa explorar novos mercados, António Mota disse que a construtora pensa em consolidar os negócios que detém atualmente. “Mercado asiático? É muito longe para nós”, disse.

António Mota, presidente da Mota-Engil, no discurso do 30º aniversário da construtora na bolsa.Paula Nunes

António Mota frisou ainda que a economia portuguesa e africana estão em fase de “pré-bonança”, razão pela qual espera que os resultados cresçam mais no próximo ano do que em 2017, sem precisar números. Acrescentou ainda que espera que o mercado africano recupere novamente o estatuto de principal mercado, superando o maior contributo que a América Latina dá atualmente para as receitas do grupo.

Sobre os 30 anos da vida da construtora na bolsa, António Mota referiu que a Mota-Engil continua a ser uma empresa familiar justamente por causa da presença no mercado de capitais. “Foram 30 anos que permitiram que a cultura dos fundadores da empresa pudesse ser expandida para todos os sítios, com ambição, compromisso e resiliência. Foi isso que aprendemos com os fundadores, com o meu pai”, recordou.

Por fim deixou o desejo de “marcar encontro para daqui a 20 anos”, numa plateia que contou com a presença das irmãs Maria Manuela Mota, Maria Teresa Mota e Maria Paula Mota e ainda do atual CEO do grupo, Gonçalo Moura Martins e do seu antecessor, Jorge Coelho.

Já Paulo Rodrigues Silva, presidente da Euronext Lisbon, disse que tem “particular carinho e apreço pela Mota-Engil”. “É uma das mais antigas da bolsa de Lisboa. “Faz parte da safra de 87, foi um bom ano da bolsa“, sublinhou.

“A Mota-Engil é um exemplo da importância do mercado de capitais no financiamento da economia real. E sempre soube aproveitar o mercado de capitais sem perder o seu cariz familiar”, ressalvou ainda Paulo Rodrigues Silva.

"Foram 30 anos que permitiram que a cultura dos fundadores da empresa pudessem ser expandidas para todo os sítios, com ambição, compromisso e resiliência. Foi isso que aprendemos com os fundadores, com o meu pai.”

António Mota

Presidente da Mota-Engil

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Mota-Engil América Latina? “Um dia esse caminho pode ser possível”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião