De zero a herói. Quatro gráficos narram explosão do Web Summit

  • ECO
  • 7 Novembro 2017

Em oito anos, o Web Summit cresceu de 200 participantes para 60.000, mudou-se para Lisboa e consagrou-se a maior feira de tecnologia do mundo. Estes são os quatro gráficos que narram a sua escalada.

O ano era 2009. “A Internet é tão popular nos dias de hoje. Não seria ótimo se alguns dos maiores nomes da Internet viessem cá e falassem com os estudantes?”, sugeriu-lhe a irmã. “Pensei que era uma ideia maluca, mas depois foi como se uma lâmpada se acendesse dentro de mim” e nasceu assim a maior feira de tecnologia do mundo, confessou Paddy Cosgrave, em 2010, ao Tecnology Voice.

A primeira edição do Web Summit, que acabaria por acontecer nos arredores de Dublin, na Irlanda, contou com cerca de 200 participantes. Oito anos depois, é na capital portuguesa que os investidores, empreendedores e interessados no campo da tecnologia se reúnem… e já atingiram um novo recorde. Este ano, andarão por Lisboa mais de 60 mil participantes.

De 200 a 60 mil participantes

Fonte: ECO

À oitava vez, “o grande conclave dos padres mais importantes da indústria tecnológica de todo o mundo” (assim chamada pelo The New York Times, em 2013) decidiu mudar de endereço. A capacidade hoteleira, a rede de transportes e os problemas que afetam as infraestruturas de Dublin levaram o Web Summit… a Lisboa.

A oitava edição, que aconteceu em 2016, decorreu de 7 a 10 de novembro, no Altice Arena e na FIL. Na altura, Paddy Cosgrave justificou a escolha da capital portuguesa por ser “uma cidade cosmopolita”, com boas infraestruturas e um grande número de hotéis. Nesse ano, segundo o Presidente da Câmara de Lisboa, Fernando Medina, o Web Summit deixou em Lisboa mais de 200 milhões de euros.

No primeiro ano em Portugal, a feira contou com mais 10 mil participantes do que os 42 mil de 2015, o último ano do evento em Dublin. Além disso, em 2016, o número de países de origem dos participantes ultrapassou, pela primeira vez, a centena e meia (para 166). Hoje, o Web Summit é um dos eventos mais desejados por empreendedores e investidores de todo o mundo.

‘C’ de cosmopolitismo

Fonte: ECO

“Estamos aqui para encontrar a próxima Google, a próxima Facebook”, sublinhou Niklas Zennström, no início dos dias desta feira. Dito e feito. Startups e investidores de todos os cantos do planeta vieram juntar-se à demanda. 2014 e 2015 (os últimos dois anos em que o Web Summit aconteceu em Dublin) foram os anos mais fortes na captação de startups e investidores. Depois de uma queda com a mudança para Lisboa, a recuperação está bem encaminhada este ano.

Os unicórnios existem?

Fonte: ECO

Janus Friis e Niklas Zennstrom do Skype. Ellon Musk da SpaceX e da Tesla. Nikesh Arora da Google. Jenna Marbles e Alfie Deyes. Estes são alguns dos nomes mais sonantes que ano após ano foram fazendo do evento irlandês um fenómeno à escala global.

Este ano, o Web Summit conta com a presença do secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, da comissária europeia para a Concorrência, Margrethe Vestager, e da primeira cidadã humanóide, a robô Sophia.

Fala quem sabe

Fonte: ECO

A The Atlantic considerou-o o sítio onde “o futuro vai para nascer”. Em 2017, no evento que representa a maior concentração de líderes executivos da História da humanidade, a inteligência artificial, a robótica e o cibercrime são três dos principais temas a serem debatidos.

Na noite de abertura, Stephen Hawking — que marcou presença por vídeo — considerou a revolução tecnológica atual “o limiar de um admirável novo mundo” e apelou aos participantes para que sejam pioneiros.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

De zero a herói. Quatro gráficos narram explosão do Web Summit

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião