Eurodeputados acusam BCE de ultrapassar mandato no malparado

  • Rita Atalaia
  • 9 Novembro 2017

Os deputados do Parlamento Europeu consideraram que as novas regras do BCE para o malparado têm "carácter vinculativo", o que ultrapassa o mandato. BCE considera adiar implementação das regras.

O Parlamento Europeu acusa o Banco Central Europeu (BCE) de ter ultrapassado as suas competências na definição das novas regras para o crédito malparado que continua a assolar a banca europeia. A responsável do banco central, Danièle Nouy, recusa estas críticas, dizendo que a proposta está “dentro do mandato do BCE”. Mas admite que a entidade venha a adiar a implementação das novas regras, que deveriam entrar em vigor em janeiro de 2018.

Para os deputados europeus, a proposta do banco liderado por Mario Draghi que forçaria as instituições financeiras a aumentarem as provisões seria de “caráter legalmente vinculativo” e obrigaria os bancos a apresentarem requisitos de capital mais elevados do que aqueles definidos pela lei da União Europeia, de acordo com um documento a que a Bloomberg teve acesso. Isto, dizem, ultrapassa o mandato do BCE.

O BCE não tem a competência para adotar a adenda, na medida em que implementa regras legalmente vinculativas aplicáveis a todos os bancos diretamente supervisionados pelo banco central.

Deputados do Parlamento Europeu

“O BCE não tem a competência para esta adenda, na medida em que implementa regras legalmente vinculativas aplicáveis a todos os bancos diretamente supervisionados pelo BCE”, escreveram os deputados a pedido do presidente do Parlamento Europeu, Antonio Tajani. As novas orientações do banco central, que devem entrar vigor a partir de janeiro do próximo ano, dizem que os empréstimos em incumprimento sem garantias devem estar totalmente provisionados em dois anos e o malparado com garantia no máximo em sete anos, isto após serem classificados como problemáticos.

BCE pode adiar implementação das regras

Daniele Nouy, presidente do conselho de supervisão do BCE, considera que esta proposta está dentro do mandato do banco central. E mostrou-se surpreendida pelas críticas. “Estou um pouco surpreendida pelo facto de agora não ser o melhor momento. Porque quando discutimos isto entre 2014 e 2017 com colegas e banqueiros nos países em que o malparado é um problema, disseram-me na altura: ‘Agora não. Por favor aguardem até o crescimento regressar’. Agora que o crescimento regressou, dizem-me que não é o momento certo porque isso iria matar o crescimento”.

"Quando discutimos isto entre 2014 e 2017 com colegas e banqueiros nos países em que o malparado é um problema, disseram-me na altura: ‘Agora não. Por favor aguardem até o crescimento regressar’. Agora que o crescimento regressou, dizem-me que não é o momento certo porque isso iria matar o crescimento.”

Danièle Nouy

Presidente do Conselho de Supervisão do BCE

Apesar da surpresa, Nouy diz que o BCE está disposto a fazer alterações ao documento. “É uma consulta e tudo pode ser mudado, caso fiquemos convencidos de que fizemos algo desadequado”, afirma. “As datas são um dos elementos que podem ser alterados.” O banco liderado por Mario Draghi tinha definido que as novas regras entrariam em vigor no início do próximo ano. Mas “1 de janeiro de 2018 pode não ser a melhor data para implementar a proposta”, admite Nouy.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Eurodeputados acusam BCE de ultrapassar mandato no malparado

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião