Nos brilha em bolsa. Resultados ditam subida de quase 7%

A empresa liderada por Miguel Almeida está a brilhar em bolsa após os resultados dos primeiros nove meses. As ações da Nos chegaram a subir quase 7%.

A Nos está a ser a estrela da sessão na bolsa nacional. A empresa liderada por Miguel Almeida dispara quase 7%, depois de ter apresentado os resultados dos primeiros nove meses. Os números, que não surpreenderam os analistas, confirmam o bom momento da empresa de telecomunicações, o que está a ser premiado pelos investidores.

Os títulos da operadora avançam 6,39% para 5,31 euros, mas estiveram já a valorizar um máximo de 6,91% para 5,34 euros. É a maior subida diária das ações da Nos desde abril, levando a cotada a negociar em máximos de quase um mês. Com esta subida, a Nos encolheu a queda acumulada desde o início do ano para 6%.

Ações da Nos brilham em bolsa

Os investidores estão a reagir positivamente aos resultados dos primeiros nove meses. A empresa registou um resultado líquido consolidado de 105,5 milhões de euros, equivalente a um crescimento de 34,5%, face ao período homólogo de 2016. No terceiro trimestre, os lucros aumentaram 22,4% para os 33,6 milhões de euros.

Os resultados ficaram “em linha com as nossas estimativas”, diz o BPI, salientando que não prevê qualquer alteração às suas estimativas com base nestes números. O CaixaBI também diz que os números da Nos ficaram “em linha com as estimativas a nível de receitas e EBITDA, com a empresa a aumentar ambas as rubricas em 3,2% e 4,1% face ao período homólogo, respetivamente”. No global, viu “resultados positivos da Nos”.

“Em termos globais, pensamos que os números [apresentados pela operadora] são bastante sólidos”, diz o Haitong, notando que “devem dar suporte às ações no curto prazo”. “Quaisquer receios que possam ter justificado o desempenho inferior da operadora face ao PSI-20 são injustificado”, salienta, reiterando a Nos como uma das “balas de prata”. Avalia as ações em 7,10 euros.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Nos brilha em bolsa. Resultados ditam subida de quase 7%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião