Presidente angolano alerta para “inúmeros obstáculos” da governação

  • Lusa
  • 11 Novembro 2017

No primeiro discurso enquanto chefe de Estado angolano, João Lourenço pediu ajuda ao povo para neutralizar a "corrupção e a impunidade têm um impacto negativo direto na capacidade do Estado".

O Presidente angolano, João Lourenço, alertou este sábado para os “inúmeros obstáculos no caminho” a percorrer no mandato que está a iniciar, mas garantiu que os compromissos que assumiu, desde logo no combate à corrupção, são para concretizar.

João Lourenço discursava pela primeira vez como chefe de Estado, na sequência das eleições gerais de agosto, nas cerimónias oficiais do dia da independência angolana, proclamada a 11 de novembro de 1975, que este ano decorreram no município da Matala, próximo do Lubango, capital da província da Huíla, no sul.

Na intervenção, recordou as “metas traçadas” durante a campanha eleitoral e as medidas anunciadas no ato investidura como Presidente da República e na mensagem sobre o Estado da nação, no parlamento, assegurando que “são para serem encaradas com a devida seriedade e responsabilidade”.

“Sei que existem inúmeros obstáculos no caminho que pretendemos percorrer, mas temos de reagir e mobilizar todas as energias para que esse cumprimento se efetive nos prazos definidos”, apontou.

"Sei que existem inúmeros obstáculos no caminho que pretendemos percorrer, mas temos de reagir e mobilizar todas as energias para que esse cumprimento se efetive nos prazos definidos.”

João Lourenço

Presidente de Angola

Retomou o apelo à “honestidade e competência” dos “melhores quadros” do país no processo de desenvolvimento nacional, mas apenas os têm a “vontade” de “bem servir o país”.

“Precisamos ao mesmo tempo de neutralizar ou reduzir a influência nefasta dos que apenas se preocupam em se servir a si mesmo, descurando a necessidade da defesa do bem comum”, alertou João Lourenço.

Na intervenção de hoje, a propósito do 42.º aniversário da proclamação da independência de Angola, e com o país mergulhado numa profunda crise financeira, económica e cambial, devido à prolongada baixa da cotação do petróleo, o Presidente angolano destacou que a “grande batalha” é agora a do desenvolvimento da economia e da “melhor distribuição da renda nacional”.

"Precisamos ao mesmo tempo de neutralizar ou reduzir a influência nefasta dos que apenas se preocupam em se servir a si mesmo, descurando a necessidade da defesa do bem comum.”

João Lourenço

Presidente de Angola

“Que será igualmente árdua e merecerá por isso muita inteligência, dedicação ao estudo e ao trabalho, disciplina, mas sobretudo coragem para se tomarem as medidas de reformas que se impõe. É imprescindível pensarmos em abrir e diversificar a nossa economia, e sem abdicar de mantermos o petróleo num lugar importante que lhe cabe, exploramos ao máximo os enormes e variados recursos naturais de que o país dispõe”, disse.

A 26 de setembro, no seu discurso de investidura, pouco depois de receber o poder de José Eduardo dos Santos, chefe de Estado desde 1979, João Lourenço prometeu que o combate ao crime económico e à corrupção será uma “importante frente de luta” e a “ter seriamente em conta” no mandato de cinco anos que agora inicia.

“A corrupção e a impunidade têm um impacto negativo direto na capacidade do Estado e dos seus agentes executarem qualquer programa de governação. Exorto por isso todo o nosso povo a trabalhar em conjunto para estripar esse mal que ameaça seriamente os alicerces da nossa sociedade”, afirmou João Lourenço, perante uma forte ovação popular.

"A corrupção e a impunidade têm um impacto negativo direto na capacidade do Estado e dos seus agentes executarem qualquer programa de governação. Exorto por isso todo o nosso povo a trabalhar em conjunto para estripar esse mal que ameaça seriamente os alicerces da nossa sociedade.”

João Lourenço

Presidente de Angola

Desde que assumiu o poder, João Lourenço já exonerou a administração de várias empresas públicas, algumas das quais nomeadas meses antes das eleições por José Eduardo dos Santos, que continua como presidente do MPLA, partido vencedor das eleições gerais de agosto.

No discurso, João Lourenço recordou tratar-se de um regresso à província da Huíla, onde em fevereiro fez a sua primeira apresentação como, então, cabeça-de-lista do MPLA às eleições gerais, as quais, afirmou, permitiram a “conquista do coração dos angolanos e consequentemente a cadeira presidencial”.

“Agradeço terem correspondido aos apelos por mim feitos, durante a campanha eleitoral, dando-me com grande maioria o direito e o dever de conduzir os destinos da nação angolana durante os próximos cinco anos, em conformidade com o programa de Governo 2017/2022, previamente anunciado pelo partido vencedor das eleições”.

“Tive a ocasião de referir que juntos construiremos um futuro melhor para Angola. Para tal, conto com o apoio de todos, sem exclusão de ninguém e sem distinções de origem, género, etnia, credo religioso ou filiação partidária”, enfatizou.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Presidente angolano alerta para “inúmeros obstáculos” da governação

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião