Powell não tem doutoramento, mas terá voz ativa na Fed

  • Bloomberg
  • 12 Novembro 2017

Jerome Powell foi o nome escolhido por Donald Trump para suceder a Janet Yellen na Fed. Não tem doutoramento mas Powell sabe como ninguém como pensam os economistas.

Anos antes de ser indicado para liderança da Reserva Federal norte-americana, Jerome Powell trouxe para o banco central dos EUA uma lição que aprendeu no setor privado: administre ou seja administrado.

Powell notou que os inteligentíssimos economistas da casa resolviam diferenças entre si — em todos os assuntos, do sistema de pagamentos à política monetária — e depois apresentavam ao altos responsáveis uma recomendação unificada, esperando que seguissem a recomendação do grupo.

Essa prática não caiu bem com um advogado que fez carreira na área de investimentos em private equity. Nesse ramo, as propostas precisam sobreviver a críticas dos principais decisores, sendo que alguns têm a responsabilidade específica de argumentar contra uma ideia de investimento.

Jerome Powell foi o nome escolhido por Donald Trump para suceder a Janet Yellen na presidência da Reserva da Federal norte-americana.Kirkpatrick/Bloomberg

Quando assumiu o cargo de diretor da Fed, Powell quis mudar as coisas. Insistia para os funcionários discutirem à sua frente, de acordo com uma pessoa que trabalhou com ele. O advogado também se debruçou sobre estudos académicos e fez muitas perguntas. Em mais de cinco anos na Fed, Jerome Powell conseguiu ganhar o respeito dos profissionais da instituição mesmo quando questionava as recomendações deles.

Isso será útil quando Powell assumir o comando em fevereiro e a Fed, com um exército formado por mais de 300 economistas com doutoramento, for liderada pela primeira pessoa sem doutoramento em Economia desde Paul Volcker, que presidiu o banco central americano entre 1979 e 1987. Fora da instituição, há quem alerte para o risco de ele ser capturado pela equipa interna.

Evitando pensamento unificado

“É muito importante o presidente da Fed questionar a equipa sobre os motivos para acreditarem que a análise deles é correta”, disse Karen Dynan, economista da Universidade Harvard que trabalhou na Fed durante 17 anos. “O perigo é quando a análise é consistente com opiniões disseminadas e aceita rápido demais.”

Os funcionários da Fed formam uma das melhores equipas de especialistas em economia do mundo. As previsões e recomendações desta equipa são bastante valorizadas pelas autoridades. Mas o grupo também é acusado de ser insular e, como aprendeu Powell, resistente a expor debates não resolvidos aos diretores.

Além disso, há pouca rotatividade entre os economistas mais antigos. Quando isso acontece, o sucessor costuma ser alguém que já estava na casa e é promovido. Entre os oito diretores e vice-diretores das divisões de assuntos monetários e pesquisa e estatística que são diplomados em Economia, seis começaram a carreira no próprio Fed.

"É muito importante o presidente da Fed questionar a equipa sobre os motivos para acreditarem que a análise deles é correta”, disse ”

Karen Dynan

Economista da Universidade Harvard

Liderança de Yellen

A atual presidente da Fed, Janet Yellen, mostrou liderança ao insistir que pessoas que estavam fora da força de trabalho oficial voltariam ao mercado à medida que a economia se recuperasse. A equipa dela estava mais cética. Se ela tivesse seguido a opinião desses profissionais, talvez a Fed tivesse subido os juros mais rapidamente. No fim das contas, Yellen aparentemente estava certa.

Alguns duvidam que Powell terá conhecimento ou confiança para fazer algo parecido. “Powell não pode contar com a mesma profundidade de conhecimento” dos seus antecessores, disse Eric Winograd, economista sénior para os EUA da Alliance Bernstein.

“Isso não importa agora, quando as águas estão relativamente tranquilas e a trajetória da política monetária está bem estabelecida, mas vamos ver o que acontece quando o ciclo virar e o comité de política monetária for obrigado a alterar a rota.”

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Powell não tem doutoramento, mas terá voz ativa na Fed

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião