Crescimento da zona euro dá margem ao BCE para subir juros

Ardo Hansson, membro do conselho de governadores do Banco Central Europeu, defende que "existe alguma margem para uma recalibração óbvia, mas prudente, das políticas" do BCE.

As perspetivas mais positivas para a economia da zona euro justificam uma mudança na política do Banco Central Europeu, defende Ardo Hansson, um dos membros do conselho de governadores do banco central.

Ardo Hansson, governador do banco central da Estónia, defende que é tempo de repensar a política de estímulos do BCE. Peti Kollanyi/Bloomberg

“Com um aumento da confiança relativamente às perspetivas da economia real existe alguma margem para uma recalibração óbvia, mas prudente, das políticas”, disse o responsável estónia numa conferência que se realiza esta quarta-feira em Londres e citado pela Reuters.

Com um aumento da confiança relativamente às perspetivas da economia real existe alguma margem para uma recalibração óbvia, mas prudente, das políticas.

Ardo Hansson

membro do conselho de governadores do BCE

Hansson, tido como um dos membros mais conservadores do banco central, acrescentou “Para nós, o mundo parece melhor”, sublinhando que a economia da zona euro está a desfrutar de um “forte” crescimento e que a inflação está a acelerar de forma modesta.

De acordo com os dados do Eurostat divulgados ontem, comparando com o trimestre anterior, tanto a União Europeia como a zona euro cresceram 0,6%, desacelerando ligeiramente face aos 0,7% que tinham sido registados no período de abril a junho. Como o número corresponde apenas a uma primeira estimativa rápida, o gabinete de estatística não revela os contributos para o crescimento.

No início do mês do BCE revelou que tencionava reduzir o seu plano de estímulos no início do próximo ano para 30 mil milhões de euros por mês, contra os atuais 60 mil milhões. Sendo que o programa de compras foi estendido até setembro de 2018.

No caso português, o BCE já detém mais de 30 mil milhões de euros em obrigações do Tesouro portuguesas, cerca de 12% do total da dívida pública portuguesa, isto depois de o banco central liderado por Mario Draghi ter adquirido em outubro mais 489 milhões de euros em títulos nacionais.

A redução da política de estímulos está longe de gerar consenso no seio do conselho de governadores. No início do mês, Ewald Nowotny, outro membro do conselho, dizia em entrevista à Bloomberg, que, “eventualmente, haverá uma redução e uma determinada data para o fim [dos programas de estímulos], mas ainda é muito cedo para termos esta discussão”.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Crescimento da zona euro dá margem ao BCE para subir juros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião