Há menos casos de insolvência e falência pendentes

  • Lusa
  • 16 Novembro 2017

O Ministério da Justiça fez as contas e concluiu que existem menos processos pendentes desde o ano passado. A duração média da resolução manteve-se nos dois meses.

O número de processos de insolvência, falência e recuperação de empresas pendentes nos tribunais no final do segundo trimestre diminuiu face ao período homólogo de 2016, registando um decréscimo de 12,1%, segundo dados do ministério da Justiça.

As estatísticas da Direção-Geral da Política de Justiça (DGPJ), publicadas esta quinta-feira, mostram contudo que, comparativamente a igual período de 2007, registou-se um aumento de 10,6% do número de processos.

Quanto à duração média de resolução dos processos, entre a sua entrada e a decisão judicial, ou seja, a declaração de insolvência ou análoga, os dados mostram que houve um decréscimo entre o segundo trimestre de 2007 e o deste ano, passando de nove para dois meses. Face ao segundo trimestre de 2016, a duração média dos processos terminados no segundo trimestre deste ano manteve-se constante.

Relativamente ao tipo de pessoa envolvida nas insolvências decretadas, os dados mostram um aumento do peso das pessoas singulares no total de processos (passando de 18,5% para 78,6%) na comparação homóloga do segundo trimestre de 2007 com o segundo trimestre deste ano. Registou-se também uma redução ao nível das pessoas coletivas de direito privado (passando de 80,2% para 21,4%).

Quanto ao custo dos processos de falência, insolvência e recuperação de empresas apurou-se o valor médio de 2.130,71 euros, tendo em consideração os processos com visto em correição (uma nota do juiz que confirma que não existe qualquer irregularidade) no segundo trimestre deste ano em que houve montantes indicados para pagamento pelo Instituto de Gestão Financeira e Equipamentos da Justiça (1.463 processos).

Tendo em conta a Classificação Portuguesa das Atividades Económicas (CAE) das empresas com insolvência decretada, verifica-se que 26,6% eram de comércio por grosso, retalho e reparação de veículos e 19,5% da indústria transformadora.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Há menos casos de insolvência e falência pendentes

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião