Há menos casos de insolvência e falência pendentes

  • Lusa
  • 16 Novembro 2017

O Ministério da Justiça fez as contas e concluiu que existem menos processos pendentes desde o ano passado. A duração média da resolução manteve-se nos dois meses.

O número de processos de insolvência, falência e recuperação de empresas pendentes nos tribunais no final do segundo trimestre diminuiu face ao período homólogo de 2016, registando um decréscimo de 12,1%, segundo dados do ministério da Justiça.

As estatísticas da Direção-Geral da Política de Justiça (DGPJ), publicadas esta quinta-feira, mostram contudo que, comparativamente a igual período de 2007, registou-se um aumento de 10,6% do número de processos.

Quanto à duração média de resolução dos processos, entre a sua entrada e a decisão judicial, ou seja, a declaração de insolvência ou análoga, os dados mostram que houve um decréscimo entre o segundo trimestre de 2007 e o deste ano, passando de nove para dois meses. Face ao segundo trimestre de 2016, a duração média dos processos terminados no segundo trimestre deste ano manteve-se constante.

Relativamente ao tipo de pessoa envolvida nas insolvências decretadas, os dados mostram um aumento do peso das pessoas singulares no total de processos (passando de 18,5% para 78,6%) na comparação homóloga do segundo trimestre de 2007 com o segundo trimestre deste ano. Registou-se também uma redução ao nível das pessoas coletivas de direito privado (passando de 80,2% para 21,4%).

Quanto ao custo dos processos de falência, insolvência e recuperação de empresas apurou-se o valor médio de 2.130,71 euros, tendo em consideração os processos com visto em correição (uma nota do juiz que confirma que não existe qualquer irregularidade) no segundo trimestre deste ano em que houve montantes indicados para pagamento pelo Instituto de Gestão Financeira e Equipamentos da Justiça (1.463 processos).

Tendo em conta a Classificação Portuguesa das Atividades Económicas (CAE) das empresas com insolvência decretada, verifica-se que 26,6% eram de comércio por grosso, retalho e reparação de veículos e 19,5% da indústria transformadora.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Há menos casos de insolvência e falência pendentes

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião